China volta a não registar qualquer morte por Covid-19 nas últimas 24 horas

  • Lusa
  • 12 Abril 2020

Não foram registadas quaisquer mortes causadas pelo Covid-19 nas últimas 24 horas na China, a segunda vez que acontece no país desde que começaram a ser divulgadas as estatísticas oficiais.

A China anunciou este domingo que não foram registadas quaisquer mortes causadas pelo Covid-19 nas últimas 24 horas, a segunda vez que acontece naquele país, desde que começaram a ser divulgadas as estatísticas oficiais.

A Comissão Nacional de Saúde chinesa informou também que foram registados 99 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, um aumento face aos 46 reportados no sábado. Dos 99 novos casos, 97 tiveram proveniência do estrangeiro, os chamados casos “importados”.

Pequim tinha lançado um veto temporário à entrada de cidadãos estrangeiros no país a 28 de março, porém, a media ainda não levou a uma redução do número de casos “importados”, que já são 1.280.

Segundo a Comissão Nacional de Saúde chinesa, o número de doentes dados como recuperados foi de 50, nas últimas 24 horas, havendo um total de 1.138 pessoas infetadas naquele país asiático, o que leva a uma interrupção na tendência de redução do número de pessoas contaminadas na China.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do Covid-19, já provocou mais de 107 mil mortos e infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, quase 345 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Os Estados Unidos são o país que regista o maior número de mortes, contabilizando 20.071 até hoje, e aquele que tem mais infetados, com perto de 520 mil casos confirmados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China volta a não registar qualquer morte por Covid-19 nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião