Em protesto, Amazon fecha centros de distribuição em França

  • Lusa
  • 15 Abril 2020

Decisão da gigante norte-americana surge depois de a justiça francesa ter ordenado a empresa a limitar a venda e entrega de produtos básicos e essenciais.

A Amazon decidiu encerrar os centros de distribuição em França durante cinco dias, até segunda-feira, depois de a justiça francesa ter ordenado a empresa a limitar a venda e entrega de produtos básicos e essenciais.

O tribunal de Nanterre, nos arredores de Paris, deu na terça-feira um prazo de 24 horas para o gigante da distribuição online restringir a venda e distribuição apenas a produtos essenciais, tendo em conta o resultado de uma avaliação sobre os riscos inerentes à pandemia de Covid-19 nos centros de distribuição, e determinou que a entrega de produtos não essenciais só poderá ocorrer após uma avaliação dos riscos e de medidas necessárias para proteger a saúde dos trabalhadores.

Segundo a decisão do tribunal, a Amazon França fica obrigada a incluir representantes dos trabalhadores na avaliação dos riscos.

Hoje, a empresa chegou a indicar que estava a pensar recorrer da decisão, mas voltou atrás nos planos, depois de reunir um comité social e económico que se pronunciou, com 14 votos em 18, a favor do encerramento, para desinfetar os centros de distribuição e avaliar os riscos, segundo informou um delegado sindical à agência France-Presse.

A ação judicial que motivou a sentença foi interposta pela União Sindical Solidária (SUD), o principal sindicato da empresa, que viu, porém, o tribunal negar-lhe o pedido feito com vista à suspensão laboral nos centros de distribuição, onde trabalha uma média de uma centena de funcionários num armazém à porta fechada, mas viu, agora, a empresa a ir de encontro às suas pretensões.

De acordo com a direção do gigante norte-americano da distribuição, os salários dos trabalhadores afetados nos cinco centros serão pagos a 100% durante o período de encerramento.

A França é o terceiro país da Europa com mais casos de infeção com o novo coronavírus, tendo, segundo os dados oficiais mais recentes, registado 15.729 óbitos entre os 143.303 infetados.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou quase 127 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 428 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em protesto, Amazon fecha centros de distribuição em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião