Em altura de crise, franceses da Corum sugerem investir no imobiliário

  • ECO
  • 17 Abril 2020

A sociedade francesa de gestão de poupanças Corum considera que o setor imobiliário vai continuar a ser um refúgio para os investidores nesta altura de crise.

Numa altura em que a crise afeta todos os setores, incluindo o imobiliário, ainda há quem defenda que investir neste tipo de ativos é uma boa opção. A francesa Corum Investments acredita que investir em imobiliário é sempre “menos volátil” do que investir em ações, principalmente numa altura como estas.

“O imobiliário é sempre um investimento menos volátil que o mercado acionista para os investidores e mais ainda em tempos de turbulência”, diz José Gavino, diretor da Corum em Portugal, citado em comunicado. A empresa francesa comercializa fundos imobiliários em território nacional, onde já tem cerca de 60 milhões de euros investidos em aquisições.

A atividade da Corum dedica-se exclusivamente à compra de imobiliário comercial, para depois os arrendar, através dos seus dois fundos de investimento que, no ano passado, renderam mais de 6%. “Com a Corum, o investidor sabe sempre quais são os edifícios comprados, a quem estão arrendados e por quanto tempo”, continua o responsável, acrescentando que não investe “para especular”.

Assim, a empresa aconselha os investidores a aplicarem o seu dinheiro em fundos de investimento imobiliário, de forma a “construir património a longo prazo”. Nesta altura de crise, aproveita ainda para desafiar os investidores a usarem o reembolso do IRS como uma maneira de poupar a médio e longo prazo no mercado imobiliário.

A Corum tem atualmente uma carteira de ativos superior a 3,6 mil milhões de euros. Em fevereiro, investiu 60 milhões de euros no imobiliário nacional através da compra de 11 imóveis em várias zonas do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em altura de crise, franceses da Corum sugerem investir no imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião