Corum Investments investe em 11 imóveis. Aplicou 60 milhões

  • Lusa e ECO
  • 5 Fevereiro 2020

Corum Investments gere imóveis avaliados em 2,8 mil milhões de euros, em 16 países. Chegou a Portugal há quatro meses.

A Corum Investments, sociedade francesa de investimento imobiliário que abriu sucursal em Portugal em outubro 2019, já investiu 60 milhões de euros na aquisição de 11 imóveis em vários pontos do país.

“O ano de 2019 foi marcante para a Corum, que inaugurou o seu primeiro escritório em Portugal, país onde já investiu 60 milhões de euros na aquisição de 11 imóveis em vários pontos do país, contando com arrendatários como o Pingo Doce e o Grupo Rumos”, avança, em comunicado, a gestora imobiliária que se instalou há cerca de quatro meses num espaço da Avenida da Liberdade, em Lisboa.

A Corum Investments é uma sociedade gestora independente, uma vez que não está ligada a qualquer banco ou grupo bancário, criada em 2011, em França, que gere imóveis avaliados em 2,8 mil milhões de euros, em 16 países.

Em Portugal, os dois fundos disponibilizados pela sociedade gestora são o Corum Origin, com um preço de subscrição de 1.090 euros por ação, e o Corum XL, cujo preço de subscrição de uma ação é de 189 euros. No ano passado, os dois fundos registaram valorizações superiores a 6%.

Por ocasião da abertura da sucursal portuguesa, a gestora de fundos imobiliários referiu que o volume desejável para uma carteira nos primeiros cinco anos situa-se entre os 5% e os 10% em Portugal (na Europa o volume das carteiras é de 18%), esperando, no entanto, um número de subscrições mais baixo do que nos outros países para onde se internacionalizou, como por exemplo Áustria e Holanda, devido, entre outros fatores, aos salários praticados.

A Corum trabalha apenas com arrendamento comercial e com contratos de longa duração, numa lógica de poupança – “muito comum entre os franceses” – com rendimento mensal, cujo reembolso funciona por entrada de novos investidores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corum Investments investe em 11 imóveis. Aplicou 60 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião