Orçamento suplementar até julho. Contenção? “Aumento da despesa”, diz Costa

  • ECO
  • 17 Abril 2020

Economia vai cair. Mas ninguém sabe "quanto é que a economia vai cair", diz o primeiro-ministro, que quer avançar com um orçamento suplementar antes da interrupção dos trabalhados no Parlamento.

António Costa, como o resto dos membros do Governo, têm alertado para os impactos que a pandemia vai ter na economia. O primeiro-ministro diz que não sabe quanto irá cair, ao certo, a economia, mas reconhece que, depois, a recuperação será, num primeiro momento, lenta. Perante esta crise, o Executivo vai avançar com um orçamento suplementar que deverá ser apresentado antes da interrupção dos trabalhados no Parlamento.

“Há um ponto que ninguém sabe: quanto é que a economia vai cair. Porque isso depende de um fator que também ninguém sabe, que é quanto tempo vai durar esta paralisação global”, diz António Costa em entrevista ao Expresso que será publicada na íntegra na edição de sábado. Mesmo não sabendo ao certo impacto, Costa diz que na recuperação, haverá “uma primeira fase que vai ter de ser lenta”.

A crise provocada pela pandemia está a obrigar o Estado a um esforço financeiro avultado, obrigando à apresentação de um orçamento suplementar que, diz Costa, ainda está a ser preparado.

“O ideal era que o orçamento suplementar pudesse ser apresentado ainda antes da interrupção dos trabalhos parlamentares”, que acontece em julho. No entanto, Costa diz que “só faz sentido fazê-lo quando tivermos dados suficientemente sólidos sobre a situação económica, financeira, e as necessidades do país”.

Questionado sobre se será um orçamento de contenção, Costa diz que será um documento exatamente em sentido oposto. “É necessário para acomodar o acréscimo da despesa que estamos a ter. Não estamos na fase da contenção, mas do aumento da despesa“, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orçamento suplementar até julho. Contenção? “Aumento da despesa”, diz Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião