Marcas nacionais querem ajudar a relançar a restauração

A plataforma permite que consumidores comprem vouchers no valor de cinco euros a 100 euros, para usufruírem nos seus espaços preferidos. Podem ser utilizados até 6 meses após Estado de Emergência.

Várias marcas nacionais, como a Delta Cafés, gelados Olá, Buondi, Água de Luso, Carte D’Or, Sical e Go Chill juntaram-se numa iniciativa conjunta para apoiar bares, restaurante e cafés na reabertura dos seus negócios, assim que as condições de saúde pública o permitam. Os clientes vão poder comprar vouchers de cinco a 100 euros para utilizarem nos seus espaços de eleição, até seis meses após o levantamento do Estado de Emergência.

Para apoiarem o setor da restauração, as marcas nacionais criaram, em conjunto com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), uma plataforma digital chamada Juntos Voltamos Já”, para forma a estimularem o consumo nestes espaços e ajudarem o setor a relançar os seus negócios.

A plataforma está disponível a partir desta sexta-feira através do Sapo Voucher e “possibilita que os consumidores comprem vouchers dos seus locais preferidos”, durante o fecho dos espaços comerciais, devido à epidemia de Covid-19, refere o comunicado conjunto das marcas.

Assim, os consumidores podem adquirir os vouchers no valor de cinco euros a 100 euros, que podem ser utilizados até seis meses após o levantamento do Estado de Emergência.

Além disso, “as marcas disponibilizam ainda os seus produtos para cabazes que serão entregues aos pontos de venda aderentes, minimizando assim o esforço financeiro no momento da abertura”, lê-se na nota de imprensa.

Em comunicado, as marcas acreditam que este é “um apoio essencial” para muitos espaços de norte a sul do país, que estão encerrados ou “viram a sua atividade substancialmente afetada”. As marcas convidam ainda outras empresas a juntarem-se ao movimento.

A Assembleia da República aprovou na quinta-feira o prolongamento do Estado de Emergência no país, devido à pandemia de coronavírus, por mais 15 dias, até 2 de maio. A partir dessa data, e se as condições de saúde o permitirem, é expectável que alguns setores comecem a reabrir, sendo que o processo deverá decorrer forma gradual.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcas nacionais querem ajudar a relançar a restauração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião