Afinal, Costa não exclui austeridade

  • ECO
  • 18 Abril 2020

Na semana passada, o primeiro-ministro garantia que a "receita" para resolver a crise não seria de austeridade como em 2010. Agora, Costa prefere não se comprometer devido à "incerteza".

António Costa não exclui que venham a ser aplicadas medidas de austeridade em Portugal, após o surto de Covid-19. Em entrevista ao Expresso (acesso pago), o primeiro-ministro diz que este é um momento de gastar, e não de contenção, mas deixa o futuro em aberto. Muda assim a posição, depois de, na semana passada, ter garantido que não haveria austeridade.

“O país não precisa de austeridade, precisa de relançar a economia”, começou por dizer Costa ao semanário. Lembrou, no entanto, a “incerteza” que ainda existe em relação ao impacto da Covid-19 nas contas públicas. Por isso, desta vez, António Costa preferiu não se comprometer e deixou em aberto se a receita será ou não de austeridade.

Mas já ando nisto há muitos anos para não dar hoje uma resposta que amanhã não possa garantir. E acho que há um fator fundamental para sairmos desta crise, que é mantermos confiança. E a confiança tem de assentar em todos percebermos qual é o grau de incerteza em que vivemos e qual é o grau de compromisso que podemos assumir”, acrescentou o primeiro-ministro, numa entrevista em que anunciou que o Governo deverá apresentar um orçamento suplementar em junho.

À agência lusa, no dia 11 de abril, o que disse o primeiro-ninistro? “Podem estar seguros de que não adotarei a mesma receita, não só porque já na altura não acreditei nela, como, sobretudo, porque a doença agora é claramente distinta da anterior. Não há atualmente uma doença das finanças do Estado, que, felizmente, conseguiu sanear as suas finanças públicas. Esta crise é uma crise económica, global, que resulta de uma crise sanitária. Portanto, querer aplicar a mesma receita que já se demonstrou errada há dez anos seria agora duplamente errado”, reforça.

O que terá mudado para o primeiro-ministro não se comprometer agora como se comprometeu na semana passada? Mário Centeno antecipou uma recessão próxima dos dois dígitos para 2020 e, segundo o FMI, a dívida pública vai saltar para 135% do PIB. O próprio primeiro-ministro dedico um dia da semana a ouvir as instituições independentes como o conselho das finanças públicas e um conjunto diverso de economistas para avaliar o que pode (e não pode) a seguir à reabertura da economia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Afinal, Costa não exclui austeridade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião