Dona da CUF quase duplica lucro. Covid-19 vai pesar nas contas

  • Lusa
  • 20 Abril 2020

José de Mello Saúde realizou vários cenários de impacto da pandemia na sua atividade, nos quais prevê que "o volume de negócios possa ser afetado negativamente em cerca de 80 milhões de euros".

O resultado líquido consolidado do Grupo José de Mello Saúde em 2019 registou um crescimento 86,1% face ao ano anterior, atingindo os 29 milhões de euros, segundo comunicado divulgado ao mercado no domingo à noite.

Em 2018, o resultado líquido consolidado do grupo atribuível aos acionistas tinha sido de 15,6 milhões de euros, de acordo com o relatório e contas divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Já “os proveitos operacionais atingiram os 701,5 milhões de euros, o que representa um crescimento de 2,7% face ao período homólogo [com Hospital de Braga apenas 8 meses], sendo que a rede CUF se destaca com um crescimento de 11,8% no mesmo período”, adianta o grupo em comunicado.

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) foi de 97,9 milhões de euros, o que representa um aumento de 37,6% face a 2018.

A margem EBITDA também registou “uma melhoria em 3,5 p.p., fixando-se em 14,0%”.

No comunicado, o grupo salienta que em 2019 registou um crescimento da atividade em todas as áreas assistenciais, “quer na rede CUF [segmento privado], quer nos Hospitais de Braga e de Vila Franca de Xira [segmento público]”.

Quanto ao rácio de dívida financeira líquida sobre EBITDA “diminuiu de 4,84x, no final de 2018, para 4,48x, apesar do crescimento da dívida financeira líquida consolidada em 94,5 milhões de euros, para 438,9 milhões de euros, devido ao plano de investimentos em curso”, refere o grupo.

A José de Mello Saúde diz que enquanto prestador de serviços de saúde, está a acompanhar a evolução da pandemia da covid-19 “em estreita articulação com as autoridades portuguesas”.

E adianta que realizou vários cenários de impacto da pandemia na sua atividade, nos quais prevê que “o volume de negócios possa ser afetado negativamente em cerca de 80 milhões de euros, considerando que o auge da crise ocorra durante o primeiro semestre de 2020, para depois retomar gradualmente no tempo os volumes de atividade anteriormente esperados”.

“A José de Mello Saúde está a preparar e implementar medidas que minimizem os impactos negativos desta nova situação, incluindo também os respetivos impactos nos seus rácios financeiros”, sublinhou.

No contexto de pandemia, para dar resposta às necessidades da população, o Hospital CUF Infante Santo e Hospital CUF Porto assumiram o diagnóstico e tratamento de doentes com infeção pelo novo coronavírus, “mantendo-se igualmente com capacidade de diagnosticar as restantes situações de doença e de encaminhar os doentes dentro da rede CUF em função da situação em concreto”, assegura.

“O Hospital de Vila Franca de Xira, uma parceria público-privada inserida no SNS [Serviço Nacional de Saúde], também se encontra a garantir os cuidados necessários a toda a população. Os restantes hospitais e clínicas da José de Mello Saúde manter-se-ão dedicados à resposta aos cuidados gerais da população”, acrescenta o grupo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Dona da CUF quase duplica lucro. Covid-19 vai pesar nas contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião