BRANDS' PESSOAS Smart work? Nem sempre!

  • BRANDS' PESSOAS
  • 20 Abril 2020

Marta Santos, Associate Partner, EY People Advisory Services, reflete sobre os diferentes tipos de gestão a que o trabalho remoto nos obriga: do espaço, das rotinas, das compras, do stresse...

O trabalho remoto chegou. Sem pré-aviso, sem preparação, sem gestão de mudança, ou planos de transição. Da noite para o dia, deixámos de trabalhar no escritório e passámos a trabalhar em casa.

Não foi fácil. Não é fácil!

Há uma gestão de espaços que é necessário fazer – manter o espaço-casa e o espaço-trabalho (e também o espaço-escola de várias escolas!) num mesmo espaço. Muitos “espaços” para caberem nas nossas casas!

Há também a gestão das rotinas. É preciso conciliar as horas de uns trabalharem e outros estudarem, de todos comerem, de depois conversarem, brincarem, descansarem…

Há ainda a gestão dos cuidados da casa – porque se estamos todos, precisamos de cuidar todos do tal espaço!

A gestão das compras! O que era, até há poucos dias, uma não questão – milhares de lojas abertas às mais variadas horas, com tudo o que se quiser para comprar, de bens essenciais e alguns acessórios – hoje é todo um planeamento de horários e logística para não apanhar tantas filas, para ter a certeza que temos tudo o que precisamos e com redobrados cuidados de higienização, antes e depois.

A gestão do stresse – porque vivemos tempos difíceis e incertos. Porque temos medo de um inimigo invisível e desconhecido. Porque não estamos habituados a estar fechados em casa. Porque temos saudades da família que não está ao pé de nós, dos amigos, dos jardins, das esplanadas, das praias!

Não é fácil.

Não é fácil para as profissões que podem trabalhar remotamente – e são várias! Desde os call center – que abrangem setores tão variados como a banca, a saúde ou o comércio; passando pelas áreas de IT, que podem apoiar remotamente grande parte dos utilizadores, como podem programar em qualquer local; as áreas financeiras e contabilísticas, que por acessos vários podem continuar a apoiar clientes e fazer transações; a consultoria, habituada a equipas de várias partes do mundo, que colaboram por projetos; a comunicação, ou o marketing, que se suportam em meios digitais para manter o trabalho a fluir; mesmo o ensino, ainda que longe de ser ideal, é possível…

Mas se para estes não é fácil, o que dizer dos outros?

Como podemos trabalhar remotamente se tivermos uma profissão hands-on? Como podemos trabalhar no setor da construção remotamente? Ou na indústria automóvel, ou naval, ou alimentar? Não num futuro repleto de drones e robots controlados remotamente… Mas hoje.

Como podemos ir trabalhar se as lojas em que trabalhamos estão fechadas?

"É preciso apoiar quem continua a trabalhar, em casa ou fora. É preciso apoiar quem continua a dar trabalho. E é preciso apoiar também quem tem mesmo de parar de trabalhar.”

Como podemos trabalhar se os palcos que ocupamos estão vazios, de artistas, de pessoal de apoio de público e de palmas? Podemos tentar manter viva a arte, sim. E muitos têm-no feito – e ainda bem! – pelas plataformas possíveis.

Não há trabalho remoto de restaurantes (a não ser por take away ou delivery)… de cabeleireiros, de pessoal de voo e de terra, em aeroportos desertos, a não ser de aviões estacionados… Nem destes nem de tantos outros.

E claro – não há trabalho remoto nos Hospitais. Nem nos lares de idosos, nem nas forças de segurança e de emergência. Para os que que cuidam de quem precisa (a estes, em especial, muito obrigada!)

Não é fácil. Não vai ser fácil.

Também por isto, é preciso que consigamos cuidar de nós. Uns dos outros. Das nossas casas, das nossas famílias, dos que nos são mais chegados.

Mas é também preciso cuidar das empresas e dos empregos. É preciso apoiar quem continua a trabalhar, em casa ou fora. É preciso apoiar quem continua a dar trabalho. E é preciso apoiar também quem tem mesmo de parar de trabalhar.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Smart work? Nem sempre!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião