BRANDS' PESSOAS Smart work? Nem sempre!

  • BRANDS' PESSOAS
  • 20 Abril 2020

Marta Santos, Associate Partner, EY People Advisory Services, reflete sobre os diferentes tipos de gestão a que o trabalho remoto nos obriga: do espaço, das rotinas, das compras, do stresse...

O trabalho remoto chegou. Sem pré-aviso, sem preparação, sem gestão de mudança, ou planos de transição. Da noite para o dia, deixámos de trabalhar no escritório e passámos a trabalhar em casa.

Não foi fácil. Não é fácil!

Há uma gestão de espaços que é necessário fazer – manter o espaço-casa e o espaço-trabalho (e também o espaço-escola de várias escolas!) num mesmo espaço. Muitos “espaços” para caberem nas nossas casas!

Há também a gestão das rotinas. É preciso conciliar as horas de uns trabalharem e outros estudarem, de todos comerem, de depois conversarem, brincarem, descansarem…

Há ainda a gestão dos cuidados da casa – porque se estamos todos, precisamos de cuidar todos do tal espaço!

A gestão das compras! O que era, até há poucos dias, uma não questão – milhares de lojas abertas às mais variadas horas, com tudo o que se quiser para comprar, de bens essenciais e alguns acessórios – hoje é todo um planeamento de horários e logística para não apanhar tantas filas, para ter a certeza que temos tudo o que precisamos e com redobrados cuidados de higienização, antes e depois.

A gestão do stresse – porque vivemos tempos difíceis e incertos. Porque temos medo de um inimigo invisível e desconhecido. Porque não estamos habituados a estar fechados em casa. Porque temos saudades da família que não está ao pé de nós, dos amigos, dos jardins, das esplanadas, das praias!

Não é fácil.

Não é fácil para as profissões que podem trabalhar remotamente – e são várias! Desde os call center – que abrangem setores tão variados como a banca, a saúde ou o comércio; passando pelas áreas de IT, que podem apoiar remotamente grande parte dos utilizadores, como podem programar em qualquer local; as áreas financeiras e contabilísticas, que por acessos vários podem continuar a apoiar clientes e fazer transações; a consultoria, habituada a equipas de várias partes do mundo, que colaboram por projetos; a comunicação, ou o marketing, que se suportam em meios digitais para manter o trabalho a fluir; mesmo o ensino, ainda que longe de ser ideal, é possível…

Mas se para estes não é fácil, o que dizer dos outros?

Como podemos trabalhar remotamente se tivermos uma profissão hands-on? Como podemos trabalhar no setor da construção remotamente? Ou na indústria automóvel, ou naval, ou alimentar? Não num futuro repleto de drones e robots controlados remotamente… Mas hoje.

Como podemos ir trabalhar se as lojas em que trabalhamos estão fechadas?

"É preciso apoiar quem continua a trabalhar, em casa ou fora. É preciso apoiar quem continua a dar trabalho. E é preciso apoiar também quem tem mesmo de parar de trabalhar.”

Como podemos trabalhar se os palcos que ocupamos estão vazios, de artistas, de pessoal de apoio de público e de palmas? Podemos tentar manter viva a arte, sim. E muitos têm-no feito – e ainda bem! – pelas plataformas possíveis.

Não há trabalho remoto de restaurantes (a não ser por take away ou delivery)… de cabeleireiros, de pessoal de voo e de terra, em aeroportos desertos, a não ser de aviões estacionados… Nem destes nem de tantos outros.

E claro – não há trabalho remoto nos Hospitais. Nem nos lares de idosos, nem nas forças de segurança e de emergência. Para os que que cuidam de quem precisa (a estes, em especial, muito obrigada!)

Não é fácil. Não vai ser fácil.

Também por isto, é preciso que consigamos cuidar de nós. Uns dos outros. Das nossas casas, das nossas famílias, dos que nos são mais chegados.

Mas é também preciso cuidar das empresas e dos empregos. É preciso apoiar quem continua a trabalhar, em casa ou fora. É preciso apoiar quem continua a dar trabalho. E é preciso apoiar também quem tem mesmo de parar de trabalhar.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Smart work? Nem sempre!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião