BCP já deu 80 mil moratórias no crédito no valor de 4,5 mil milhões

Miguel Maya, CEO do BCP, revelou esta terça-feira que o banco já concedeu cerca de 80 mil moratórias a clientes, num montante global de 4,5 mil milhões de euros.

Miguel Maya adiantou esta terça-feira que o banco já concedeu cerca de 80 mil moratórias aos seus clientes, num montante global de 4,5 mil milhões de euros. O CEO do BCP revelou ainda que tem 80 robôs a ajudarem os funcionários a dar seguimento aos pedidos.

“Em termos de moratórias, o BCP tem 25 mil moratórias, números redondos, no montante de cerca de 2,2 mil milhões. A particulares, entre a moratória do Estado e a moratória da Associação Portuguesa de Bancos, tem 55 mil moratórias no montante de 2,3 mil milhões”, declarou Miguel Maya.

“Ou seja, o BCP tem um total de 80 mil moratórias — estão a ver a carga operacional — no valor de 4,5 mil milhões de euros“, adiantou o presidente executivo do BCP, um dos maiores bancos em Portugal

Miguel Maya está a ser ouvido numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças no âmbito de um requerimento apresentado pelo CDS sobre a resposta dos bancos à pandemia do coronavírus.

Sobre eventuais atrasos, o CEO explicou aos deputados que conceder uma moratória é um processo relativamente simples para os bancos. Mas quando se está perante milhares de pedidos para processar, a carga acaba por ser muito pesada.

“O banco está a trabalhar 24 sobre 24 horas para processar as todas as moratórias”, frisou. “Tenho pessoas que trabalham ao fim de semana para por isto em dia“, adiantou mais tarde.

“Com 55 mil pedidos, se entrarem 20 mil pedidos num dia, é humanamente impossível executá-las todas ao mesmo tempo”, acrescentou. “Ainda ontem tinha mais de 80 robots a fazerem as operações. Em vez de ter um trabalhador a fazer a leitura dos documentos, são os robôs que fazem essa leitura”, explicou.

Há dois regimes de moratórias: um regime público, que foi criado pelo Governo, e abrange os créditos de habitação permanente das famílias e ainda os créditos a empresas; um regime privado, desenvolvido pela APB, que serviu para complementar a moratória pública e inclui créditos pessoais, segunda habitação e não residentes.

Miguel Maya disse que ficaria “mais confortável com uma moratória do Estado para as componentes que não estavam incluídas pela moratória pública“. Isto porque, adiantou, “quando as coisas normalizarem, estaríamos melhor protegidos se houvesse uma moratória do Estado”.

(Notícia atualizada às 18h09)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP já deu 80 mil moratórias no crédito no valor de 4,5 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião