Empresas já pediram 4,8 mil milhões de crédito. Há 558 milhões aprovados, revela Siza Vieira

Siza Vieira revela que, das linhas de crédito de 6,2 mil milhões de euros criadas para responder à pandemia, foram apresentados pedidos para 4,8 mil milhões. Até agora, há 558 milhões aprovados.

As empresas portuguesas já pediram 4,8 mil milhões de euros das linhas de crédito criadas para dar resposta à crise provocada pela pandemia do Covid-19, que têm um montante global de 6,2 mil milhões. Siza Vieira diz que, destes pedidos, foram aprovados 558 milhões, aguardando que mais pedidos sejam validados nos próximos dias.

Ouvido no Parlamento, na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital revelou que no âmbito das linhas de crédito acordadas com a Bruxelas, já foram registados cerca de 21 mil pedidos de financiamento por parte de empresas portuguesas.

Estes pedidos equivalem a um montante de “4,8 milhões de euros”, revelou Pedro Siza Vieira. Ou seja, 77,5% do montante global disponibilizado nestas linhas de financiamento.

Foram “aprovados 558 milhões de euros”, salientou o governante, acrescentando que espera que uma parcela superior dos pedidos seja aprovada em breve. “Espero que durante os próximos dois dias os pedidos de garantia possam ser processados”, salientou Siza Vieira.

O único valor conhecido até agora tinha sido revelado pelo ministro da Economia durante uma conferência do Jornal de Negócios. Pedro Siza Vieira revelou, a 15 de abril, que tinham sido “aprovadas operações de 430 milhões de euros nas linhas de crédito” que, então, estavam operacionais há duas semanas.

À data, Siza Vieira, confrontado com acusações por parte das empresas de que o dinheiro não estava a chegar às empresas, salientou que os bancos estão a aprovar os pedidos de crédito das empresas “em dois ou três dias” e que a SPGM, a entidade coordenadora da Garantia Mútua, demora outros “dois dias.

Numa semana, o crédito está aprovado. […] Depois falta a contratação, a papelada”, e é por isso que o dinheiro não chegou ainda às muitas empresas que precisam dele, explicou. Mas “temos bancos que dizem que conseguem fazê-lo em quatro dias”, do pedido à contratação, frisou.

(Notícia atualizada às 10h19 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas já pediram 4,8 mil milhões de crédito. Há 558 milhões aprovados, revela Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião