Empresas pediram diferimento de 445 milhões de impostos ou contribuições para Segurança Social, diz Siza Vieira

As empresas já pediram o diferimento de 445 milhões de euros do pagamento de impostos ou contribuições para Segurança Social.

Já foi pedido o diferimento de 445 milhões de euros do pagamento de impostos ou contribuições para Segurança Social, adiantou o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, que está a ser ouvido no Parlamento, na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

O diferimento e fracionamento das contribuições sociais, das entregas do IVA, das retenções na fonte de IRS e do IRC foi uma das medidas apresentadas pelo Governo, no final de março, de respostas à pandemia de coronavírus. O objetivo destas medidas é a “proteção do emprego e assegurar um alívio da tesouraria das empresas”, apontou o ministro.

Esta flexibilização permite que, na data de vencimento da obrigação de pagamento, a mesma possa ser cumprida de uma das seguintes formas: pagamento imediato; pagamento fracionado em três prestações mensais, sem juros; ou pagamento fracionado em seis prestações mensais, sendo aplicáveis juros de mora apenas às últimas três.

No caso das contribuições para a Segurança Social, a medida abrange os pagamentos que devem ser efetuados entre março e maio de 2020, que podem ser reduzidos a um terço, havendo lugar ao diferimento de dois terços do valor remanescente para o segundo semestre de 2020.

Quem aderir a esta medida de flexibilização, pagando apenas um terço das contribuições terá duas opções: efetuar o pagamento do valor em dívida ao longo de três meses (de julho a setembro) ou realizar o pagamento em seis meses (de julho a dezembro). Em nenhum dos casos serão cobrados juros de mora.

(Notícia atualizada às 10h50)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas pediram diferimento de 445 milhões de impostos ou contribuições para Segurança Social, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião