Quase metade das empresas não aguenta mais dois meses sem liquidez adicional

Quase metade das empresas não tem condições para se manter em atividade por mais de dois meses sem medidas adicionais de apoio à liquidez, segundo o inquérito do INE/BdP.

48% das empresas que responderam ao inquérito do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Banco de Portugal (BdP), que acompanha o impacto da pandemia na economia, referem que não terão condições financeiras para se manterem abertas por mais de dois meses, caso não tenham medidas adicionais de apoio à liquidez. Ainda assim, para já, apenas 3% das empresas despediu ou não renovou contratos, tendo a maioria aderido ao lay-off.

Os resultados do segundo inquérito, que abrange a semana passada e inclui respostas de 5,8 mil empresas representativas do tecido empresarial, foram divulgados esta terça-feira. “48% das empresas referiu só conseguir manter-se em atividade até dois meses sem medidas adicionais de apoio à liquidez, sendo que 10% reportaram não ter condições para se manter por mais de um mês”, lê-se no destaque, onde se refere que as empresas com mais limitações são as micro ou de pequena dimensão e principalmente as que estão no setor do alojamento e restauração.

Estes números refletem a fragilidade que existe em determinadas empresas, em especial nas que têm uma dimensão menor e que estão em setores particularmente afetados pela crise pandémica. Mais de metade das empresas micro ou pequenas assumem que não aguentam mais de dois meses. Por outro lado, apenas 28% das grandes empresas inquiridas não consegue aguentar mais de dois meses.

Em termos de setores, o alojamento e a restauração destaca-se de todos os outros: 64% das empresas diz não conseguir aguentar mais de dois meses. Nos outros setores, o valor mais elevado é de 49% e refere-se à indústria e energia.

Apenas 3% das empresas já despediram ou não renovaram o contrato

De acordo com o mesmo inquérito, apenas 1% das empresas já despediu trabalhadores com contratos permanentes e 2% não renovou contratos temporários. Estes dados sugerem que as medidas implementadas pelo Governo estão, para já, a funcionar como um travão ao despedimento em massa por parte das empresas que viram o seu volume de negócios afundar.

Os números da adesão ao lay-off confirmam-no dada a adesão de 51% das empresas inquiridas ao regime simplificado, mais do que os 48% registados na semana anteriores. Esse é o principal motivo que explica a redução do pessoal ao serviço, seguindo-se as faltas no âmbito do estado de emergência, por doença ou apoio à família (30%).

“A maior proporção de recurso a lay-off simplificado observou-se entre as micro empresas”, detalha o INE e o BdP, assinalando que “o recurso ao lay-off simplificado é mais referido nos serviços – onde se destaca o alojamento e restauração – do que na Indústria e energia e na Construção e atividades imobiliárias”.

82% das empresas continua em funcionamento

Este inquérito mostra também que na semana passada cerca de 82% das empresas mantinham-se em produção ou em funcionamento, mesmo que parcialmente. 16% das empresas está temporariamente fechada e apenas 1% encerrou definitivamente entre o universo de empresas que respondeu ao inquérito na semana passada. No primeiro inquérito esta última percentagem era de 2%.

Contudo, há grandes divergências setoriais: no alojamento e restauração, a percentagem é “significativamente mais baixa”, sendo que apenas 38% das empresas continuam abertas. Neste setor, 6% das empresas já encerraram definitivamente, ou seja, não vão voltar a abrir portas.

Tal como mostra os restantes indicadores deste inquérito, também aqui há uma divergência por dimensão da empresa dado que se regista uma maior proporção de negócios encerrados entre as empresas de menor dimensão.

“No encerramento definitivo, as restrições no contexto do estado de emergência e a ausência de encomendas e clientes mantiveram-se como motivos com muito impacto referidos pela quase totalidade das empresas”, explica o INE e o BdP.

(Notícia atualizada às 11h53 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase metade das empresas não aguenta mais dois meses sem liquidez adicional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião