Wall Street recupera com subida de 30% do preço do petróleo

As bolsas norte-americanas estão a recuperar mais de 2% com o disparo a dois dígitos no valor do petróleo em Nova Iorque.

As bolsas norte-americanas estão a recuperar perante sinais de estabilização dos preços do petróleo. Os três principais índices ganham mais de 2%, acompanhando a tendência de subida do valor da matéria-prima nos mercados internacionais: o WTI para entrega em junho está a valorizar mais de 30%, para 15,13 dólares o barril, e a tendência é de aceleração.

Neste contexto, o S&P 500 ganha 2%, assim como o industrial Dow Jones. O tecnológico Nasdaq sobe 2,15%. O sentimento positivo regressa desta forma a Wall Street, depois das quedas espoletadas pelo crash dos preços do petróleo: o aumento da oferta, aliado à pouca procura por causa da pandemia, atirou o valor dos futuros de maio para um valor de -40 dólares, algo que nunca tinha acontecido. Esses futuros venceram esta terça-feira.

A escalada dos preços do petróleo está a impulsionar as ações das empresas petrolíferas. A Marathon Oil avança 7,57%, para 4,55 dólares, enquanto a perfuradora Exxon Mobil sobe 4,17%, para 42,68 dólares cada ação. Já os títulos da Occidental Petroleum somam 6,73%, para 13,17 dólares.

O otimismo em torno da situação pandémica está também a contribuir com ganhos em algumas das empresas mais castigadas pelas restrições à atividade económica. A Winn Resorts avança 1,79%, para 71,66 dólares, enquanto a Carnival Corp, a maior empresa de cruzeiros do mundo, recupera 1,39%, para 11,99 dólares.

Também neste setor, mas por outros motivos, os títulos da Expedia disparam mais de 10% em bolsa, para 63,08 dólares. Em causa, a notícia de que a empresa está em conversações avançadas para vender uma posição aos fundos de private equity Silver Lake e Apollo Global Management, segundo o WSJ (acesso pago).

(Notícia atualizada pela última vez as 14h53)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera com subida de 30% do preço do petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião