Fitch corta rating de Itália. Deixa país à beira de “lixo”

Depois de Portugal ter sido alvo de revisão do outlook, desta vez foi Itália a sofrer o efeito Covid-19. Neste caso, o downgrade foi do rating, que passa a estar a um nível de cair para "lixo".

A Fitch reviu em baixa o rating de Itália devido ao impacto do Covid-19. A descida em um nível, colocou a avaliação ao país, a apenas um degrau de investimento especulativo, mas também o deixou com uma notação abaixo daquela que atribui a Portugal.

A agência de notação financeira cortou o rating de Itália para BBB-, abaixo do anterior nível de BBB. O outlook ficou em “estável”. “O downgrade reflete o significativo impacto da pandemia global de Covid-19 na economia de Itália e na posição orçamental soberana“, explica o relatório da Fitch divulgado esta terça-feira.

A agência projeta uma contração de 8% no PIB de Itália em 2020, antes de uma recuperação no ano seguinte com um crescimento de 3,7%. Mas alerta que “uma segunda vaga de infeções e a adoção generalizada de medidas de confinamento, poderão enfraquecer a economia tanto em 2020 como em 2021”. O rácio da dívida face ao PIB deverá disparar 20 pontos base para 156%.

Apesar dos riscos, a Fitch considera que o programa de compra de ativos do Banco Central Europeu será uma forte rede de segurança que irá permitir a Itália continuar a financiar-se. Foi o anúncio do programa extraordinário, no valor de 750 mil milhões de euros em compras ao longo do ano, que fez acalmar o stress no mercado de dívida.

Tanto Itália como Portugal ou Espanha viram os juros subir nas últimas semanas, mas de forma ligeira. As obrigações italianas a dez anos negoceiam com uma yield de 1,76%, enquanto as portugueses seguem em 0,972%.

Portugal também já foi alvo de revisões em baixas por agências de rating devido ao coronavírus. No espaço de uma semana, a Standard & Poor’s e a Fitch passaram a perspetiva do rating para “estável”, face à anterior “positiva”. Sem terem avaliações marcadas, ambas decidiram sinalizar maior prudência em relação à dívida nacional.

(Notícia atualização às 22h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch corta rating de Itália. Deixa país à beira de “lixo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião