Casas ficaram 8,5% mais caras em 2019. Pela primeira vez em quatro anos, preços em Lisboa subiram menos do que a média nacional

No ano passado, comprar casa custou, em média, 1.081 euros por metro quadrado. E, pela primeira vez em quatro anos, evolução dos preços em Lisboa ficou abaixo da média nacional.

As casas vendidas no ano passado em todo o país custaram, em média, 1.081 euros por metro quadrado, o que representa um aumento de 8,5% face aos preços observados em 2018. Mas, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), há ainda 45 municípios cujos preços estão acima da média nacional. Contudo, o grande destaque do ano passado foi a cidade de Lisboa que, pela primeira desde 2016, viu os preços subirem menos do que a média nacional.

Analisando por regiões, o Algarve foi a mais cara, com um preço de 1.655 euros por metro quadrado, à frente da Área Metropolitana de Lisboa (1.460 euros), e da Região Autónoma da Madeira (1.196 euros). A quarta região mais cara do país foi a Área Metropolitana do Porto (1.097 euros), aparecendo imediatamente atrás o Alentejo Litoral (1.041 euros).

Lisboa fica abaixo da média nacional. Porto supera capital

Comprar casa em Lisboa custava, no ano passado, 3.247 euros por metro quadrado, continuando o município com o título de mais caro do país. Isto mostra uma subida de 7,9% dos preços na cidade de Lisboa. Isto mostra que, pela primeira vez em quatro anos, diz o INE, a subida dos preços na cidade foi inferior à subida observada em todo o país.

Ainda na capital, o maior aumento de preços observou-se na freguesia do Parque das Nações, onde o valor mediano do metro quadrado disparou 27,3%. Santo António continuou a ser a freguesia mais cara, com um valor de 4.932 euros por metro quadrado, enquanto Santa Clara foi a mais barata (2.354 euros por metro quadrado).

No Porto, comprar casa custava 1.837 euros por metro quadrado no final do ano passado, tendo os preços disparado 14%, mais do que na cidade de Lisboa, de acordo com os dados do INE. Destaque para a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde que se classificou como a mais cara (2.492 euros por metro quadrado), enquanto Campanhã foi a mais barata (1.182 euros). Por sua vez, o maior aumento verificou-se na freguesia de Paranhos, onde os preços dispararam 23,4%.

Mas, para além de Lisboa e Porto, houve ainda 43 municípios onde o valor do metro quadrado superou a média nacional, dos quais 15 ultrapassaram os 1.500 euros por metro quadrado: Cascais (2.696 euros), Oeiras (2.234 euros), Loulé (2.099 euros), Lagos (1.923 euros), Albufeira (1.914 euros), Tavira (1.806 euros), Odivelas (1.781 euros), Loures (1.627 euros), Lagoa (1.626 euros), Funchal (1.600 euros), Vila Real de Santo António (1.574 euros), Aljezur (1.574 euros), Funchal (1.544 euros), Almada (1.515 euros) e Sines (1.504 euros).

(Notícia atualizada às 11h27 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casas ficaram 8,5% mais caras em 2019. Pela primeira vez em quatro anos, preços em Lisboa subiram menos do que a média nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião