“Ou aumentamos a oferta de casas para a classe média, ou voltamos ao regime de condicionar os preços das rendas”, lamenta Fernando Medina

O presidente da Câmara de Lisboa alertou para a necessidade de se aumentar a oferta de habitação para a classe média, caso contrário será preciso adotar medidas mais drásticas.

O presidente da Câmara de Lisboa sublinha a ideia de aumentar a oferta de habitação para a classe média, de preferência com rendas mais baixas do que as praticadas atualmente. “O país não tem muitas alternativas”, disse Fernando Medina, admitindo que, caso o número de casas disponíveis não aumente, poderá ser adotado o “regime dos condicionamentos dos preços das rendas”.

“O país não tem muitas alternativas. Ou resolvemos [o problema] bem e damos oferta acessível à classe média — através de novas casas ou da conversão de casas fechadas — ou voltamos ao regime dos condicionamentos dos preços das rendas, que vai reduzir ainda mais a oferta de casas disponíveis no mercado”, lamentou o autarca esta quarta-feira, durante a cerimónia de tomada de posse da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), em que Luís Lima foi reeleito presidente.

Para Fernando Medina, aliada à falta de oferta de habitação, estão os preços praticados no mercado. “Lisboa está no centro de uma grande inflação de preços do setor. Mas a questão é esta: enquanto as taxas [de juro] continuarem muito boas, isso é muito bom para o país, para os ministros e para muitas coisas, mas cria um quadro de inflação dos preços que compromete o mecanismo de acesso tradicional das classes médias” à habitação, continuou.

Assim, aumentar a oferta de habitação vai permitir também dar resposta ao setor do turismo e ao elevado número de unidades de alojamento local. “Demora o seu tempo, mas nos últimos anos as atenções estiveram centradas na reabilitação e não na construção”, notou.

Referindo que, para alcançar este caminho, está a haver “iniciativa pública” e “reabilitação do edificado de natureza pública”, Fernando Medina sublinhou que é preciso mais inovação. “Precisamos de inovar. O Governo tem sido muito ativo nesta dimensão de procurar criar oferta [de habitação] para as classes médias a partir do mercado privado e a Câmara de Lisboa entrará nesse esforço dentro de poucas semanas”, revelou, referindo-se ao lançamento do Programa Renda Segura, em que a autarquia vai arrendar imóveis desocupados ou a proprietários de alojamento local, para depois os subarrendar a preços acessíveis.

Medina promete acelerar licenciamento de processos

Outro dos problemas identificados pela Câmara de Lisboa como estando a prejudicar o setor tem a ver com o licenciamento de projetos. Esta é uma dificuldade que há muito vem a ser identificada pelos vários players do mercado, desde consultoras a promotores imobiliários. “Temos bem consciência do que temos a fazer do ponto de vista do licenciamento urbanístico em Lisboa”, disse o autarca.

“Temos hoje dificuldades que resultam do rápido aumento do número de processos. Estamos a concentrar energias para o resolver”, continuou, revelando que foi contratada uma equipa de 47 arquitetos para acelerar estes processos.

Medina detalhou ainda que, em 2013, quando assumiu a vice-presidência da Câmara de Lisboa, foram aprovados 100 milhões de euros em licenças, “de todo o tipo”. Em 2018, os números foram maiores. “2018 fechou com um valor que se aproximou dos 1.000 milhões de euros, dez vezes mais. E um valor mais complexo do que os primeiros 100 milhões”, disse.

O problema foi que “a equipa da Câmara de Lisboa não cresceu ao mesmo ritmo” que o número de processos e que, quando a autarquia decidiu aumentar a equipa para tratar deles, “os investidores começaram a contratar” os arquitetos disponíveis. “Temos essa dificuldade, sabemos como resolvê-la — através da mão-de-obra e organização — e já estamos a resolvê-la“, afirmou, mostrando intenções de ter a “situação” resolvida antes da próxima tomada de posse da APEMIP, que acontecerá em 2022. “É nisso que estamos a trabalhar”, rematou.

(Notícia atualizada às 18h14 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“Ou aumentamos a oferta de casas para a classe média, ou voltamos ao regime de condicionar os preços das rendas”, lamenta Fernando Medina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião