“Ou aumentamos a oferta de casas para a classe média, ou voltamos ao regime de condicionar os preços das rendas”, lamenta Fernando Medina

O presidente da Câmara de Lisboa alertou para a necessidade de se aumentar a oferta de habitação para a classe média, caso contrário será preciso adotar medidas mais drásticas.

O presidente da Câmara de Lisboa sublinha a ideia de aumentar a oferta de habitação para a classe média, de preferência com rendas mais baixas do que as praticadas atualmente. “O país não tem muitas alternativas”, disse Fernando Medina, admitindo que, caso o número de casas disponíveis não aumente, poderá ser adotado o “regime dos condicionamentos dos preços das rendas”.

“O país não tem muitas alternativas. Ou resolvemos [o problema] bem e damos oferta acessível à classe média — através de novas casas ou da conversão de casas fechadas — ou voltamos ao regime dos condicionamentos dos preços das rendas, que vai reduzir ainda mais a oferta de casas disponíveis no mercado”, lamentou o autarca esta quarta-feira, durante a cerimónia de tomada de posse da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), em que Luís Lima foi reeleito presidente.

Para Fernando Medina, aliada à falta de oferta de habitação, estão os preços praticados no mercado. “Lisboa está no centro de uma grande inflação de preços do setor. Mas a questão é esta: enquanto as taxas [de juro] continuarem muito boas, isso é muito bom para o país, para os ministros e para muitas coisas, mas cria um quadro de inflação dos preços que compromete o mecanismo de acesso tradicional das classes médias” à habitação, continuou.

Assim, aumentar a oferta de habitação vai permitir também dar resposta ao setor do turismo e ao elevado número de unidades de alojamento local. “Demora o seu tempo, mas nos últimos anos as atenções estiveram centradas na reabilitação e não na construção”, notou.

Referindo que, para alcançar este caminho, está a haver “iniciativa pública” e “reabilitação do edificado de natureza pública”, Fernando Medina sublinhou que é preciso mais inovação. “Precisamos de inovar. O Governo tem sido muito ativo nesta dimensão de procurar criar oferta [de habitação] para as classes médias a partir do mercado privado e a Câmara de Lisboa entrará nesse esforço dentro de poucas semanas”, revelou, referindo-se ao lançamento do Programa Renda Segura, em que a autarquia vai arrendar imóveis desocupados ou a proprietários de alojamento local, para depois os subarrendar a preços acessíveis.

Medina promete acelerar licenciamento de processos

Outro dos problemas identificados pela Câmara de Lisboa como estando a prejudicar o setor tem a ver com o licenciamento de projetos. Esta é uma dificuldade que há muito vem a ser identificada pelos vários players do mercado, desde consultoras a promotores imobiliários. “Temos bem consciência do que temos a fazer do ponto de vista do licenciamento urbanístico em Lisboa”, disse o autarca.

“Temos hoje dificuldades que resultam do rápido aumento do número de processos. Estamos a concentrar energias para o resolver”, continuou, revelando que foi contratada uma equipa de 47 arquitetos para acelerar estes processos.

Medina detalhou ainda que, em 2013, quando assumiu a vice-presidência da Câmara de Lisboa, foram aprovados 100 milhões de euros em licenças, “de todo o tipo”. Em 2018, os números foram maiores. “2018 fechou com um valor que se aproximou dos 1.000 milhões de euros, dez vezes mais. E um valor mais complexo do que os primeiros 100 milhões”, disse.

O problema foi que “a equipa da Câmara de Lisboa não cresceu ao mesmo ritmo” que o número de processos e que, quando a autarquia decidiu aumentar a equipa para tratar deles, “os investidores começaram a contratar” os arquitetos disponíveis. “Temos essa dificuldade, sabemos como resolvê-la — através da mão-de-obra e organização — e já estamos a resolvê-la“, afirmou, mostrando intenções de ter a “situação” resolvida antes da próxima tomada de posse da APEMIP, que acontecerá em 2022. “É nisso que estamos a trabalhar”, rematou.

(Notícia atualizada às 18h14 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Ou aumentamos a oferta de casas para a classe média, ou voltamos ao regime de condicionar os preços das rendas”, lamenta Fernando Medina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião