Barkyn triplica receitas. Procura por comida de cão dispara durante o confinamento

O negócio da startup de comida canina está em velocidade de cruzeiro. CEO explica como a pandemia do Covid-19 está a ser uma oportunidade de negócio para a empresa.

André Jordão, CEO da Barkyn, está a gerir uma equipa de 40 pessoas em teletrabalho. O negócio vai de vento em popa e uma das preocupações do gestor é o bem-estar físico e emocional dos colaboradores tendo em conta esta “transição brusca”.

“Estamos especialmente preocupados com o bem-estar físico e emocional dos nossos colaboradores e estamos a tentar manter ou até melhorar a performance da equipa”, explica André Jordão, CEO da startup portuguesa de subscrição de comida canina.

A marca portuguesa, que em março vendeu cerca de 145 toneladas de comida para cães, está a oferecer benefícios aos colaboradores como o acesso gratuito a consultas de psicologia ou coaching emocional e profissional, o acesso a aplicações de exercícios a partir de casa, meditação, entre outras atividades.

Vendas da Barkyn triplicaram

Fundada em 2017 por André Jordão e Ricardo Macedo, a startup portuguesa, sediada no Porto, conquistou o mercado nacional e expandiu o negócio para Espanha, Itália e Alemanha. Para o gestor, o mercado de comida para animais é muito atrativo e está em crescimento. “O dinheiro que os donos gastam nos animais de estimação cresce de ano para ano”, nota André Jordão em entrevista ao ECO para os Gestores em teletrabalho.

O impacto do Covid-19 no negócio é positivo e pode ser encarado como uma grande oportunidade para nós.

André Jordão

CEO da Barkyn

O Covid-19 está a provocar paralisação em muitos setores, mas a Barkyn é uma exceção à regra. Nos três primeiros meses do ano a faturação da startup triplicou em comparação com o período homólogo. “O impacto do Covid-19 no negócio é positivo e pode ser encarado como uma grande oportunidade para nós”, destaca o CEO da startup. Explica que o facto de as pessoas estarem confinadas em casa aumentou exponencialmente a procura por este tipo de serviço.

André Jordão encara esta pandemia como uma oportunidade e explica o porquê. “Olhamos para o que está a acontecer como uma grande oportunidade porque vai acelerar o e-commerce e chegar a segmentos como os séniores, que demorariam muito mais tempo a adotar estas práticas”, explica o jovem empreendedor.

“O e-commerce está a crescer e com isto tudo as pessoas estão em casa e querem ser servidos sem sair do conforto do lar”, refere o CEO da empresa. Acrescenta ainda que o serviço que oferecem está a “ganhar mais força” porque para além de entregarem a alimentação em casa: oferecem um veterinário à distância que conta com uma rede de 25 veterinários experientes. “É perfeito para os nossos clientes”, refere o gestor.

A procura pelos serviços da Barkyn está a aumentar nos mercados onde atuam, mas o Covid-19 está a dificultar um pouco a operação. André Jordão destaca que em Itália têm tido alguns obstáculos “tendo em conta que existem seis zonas que estão em lockdown devido à pandemia”, mas que mesmo assim as vendas continuam a aumentar.

“Esta crise veio acelerar a transformação digital das empresas e devemos olhar para isto como o catalisador tecnológico. A curto prazo esta crise vai abalar brutalmente a economia, mas a longo prazo pode ser encarado como uma oportunidade”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barkyn triplica receitas. Procura por comida de cão dispara durante o confinamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião