Iberdrola aumenta investimento para combater Covid-19. Lucros aumentam 30% no primeiro trimestre

A elétrica espanhola considera que o efeito positivo da venda de 8% da Siemens Gamesa vai permitir aliviar os impactos negativos gerados pela crise do novo coronavírus que podem prolongar-se.

A Iberdrola obteve um resultado líquido no primeiro trimestre de 1.257 milhões de euros, mais 30,4% do que no período homólogo, devido ao impacto extraordinário da venda da sua participação na Siemens Gamesa, informou a empresa.

A elétrica espanhola considera que o efeito positivo da venda de 8% da Siemens Gamesa vai permitir aliviar os impactos negativos gerados pela crise do novo coronavírus que podem prolongar-se ao longo deste ano. O grupo anunciou ainda que mantém a previsão de crescimento dos resultados líquidos e os dividendos para este ano, graças aos investimentos de 10 mil milhões de euros e aos ganhos de capital.

“Existe um consenso total de que o caminho para a recuperação económica deve ser necessariamente verde, com a luta contra as mudanças climáticas como elemento central. Contamos para isso com planos claros tanto na Europa, com o Pacto Verde Europeu, como em Espanha, com o PNIEC. A Iberdrola está totalmente preparada para ajudar a cumprir essas metas”, disse em comunicado Ignacio Galán, presidente do grupo Iberdrola.

De acordo com a empresa, “estes resultados foram possíveis graças aos investimentos recorde da empresa desde o início de 2019 até ao final do primeiro trimestre, que ascenderam a 9.887 milhões de euros. Deste montante, 1.728,6 milhões de euros correspondem aos três primeiros meses deste ano, o que representa um aumento de 24,2% em relação ao anterior. 91% destinaram-se a Renováveis e Redes: 810,2 e 765, 9 milhões de euros, respetivamente”.

Neste momento a Iberdrola tem em curso projetos em todo o mundo, que totalizam mais de 8.500 megawatts (MW) de capacidade. Só entre janeiro e março, instalou 1.200 novos MW e, durante os últimos 12 meses, adicionou 5.500 MW de energia, atingindo um total de 53.270 MW. “A Iberdrola apostou, portanto, em acelerar os seus investimentos para continuar a avançar em direção à recuperação da economia e do emprego”, disse a empresa em comunicado.

De acordo com resultados comunicados pela Iberdrola à Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários (CNMV) de Espanha, sem o impacto da venda desta participação na Siemens, a empresa teria tido um aumento do lucro de 5,3%, para 968 milhões de euros. No primeiro trimestre, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) aumentaram 5,8%, para 2.751 milhões de euros face ao homólogo do ano anterior.

As receitas do grupo atingiram 9.425,9 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 7% do que no mesmo período de 2019, embora a margem bruta tenha registado um aumento de 5,1%, para 4.544,8 milhões euros.

Para 2020 o o grupo mantém a previsão de crescimento do seu lucro líquido e dividendos (0,40 euros brutos por ação), graças à contribuição dos investimentos de 10.000 milhões de euros previstos juntamente com as mais-valias obtidas no primeiro trimestre. No que diz respeito ao emprego, a Iberdrola mantém a sua previsão de realizar 5.000 contratações em 2020.

“O impacto da pandemia será mitigado, maioritariamente, por vários fatores: a força do modelo de negócio baseado em redes e renováveis, a continuidade da atividade graças às medidas adotadas, os novas 8.500 MW em construção e outras iniciativas de mitigação”, refere o mesmo comunicado, acrescentando: “A Iberdrola também mantém uma sólida posição de liquidez de 14.400 milhões de euros, o suficiente para cobrir as necessidades financeiras de 30 meses num cenário de normalidade”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Iberdrola aumenta investimento para combater Covid-19. Lucros aumentam 30% no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião