Lucro do Barclays caiu 42% no primeiro trimestre do ano

  • Lusa
  • 29 Abril 2020

Resultado líquido do banco britânico atingiu os 695 milhões de euros no arranque do ano, isto apesar do aumento das receitas.

O lucro do Barclays caiu 42% no primeiro trimestre do ano em comparação com o mesmo período de 2019, informou o banco, destacando que a instituição está forte perante a desaceleração macroeconómica devido à pandemia do Covid-19.

A entidade britânica indicou que o lucro atribuído entre janeiro e março de 2020 foi de 605 milhões de libras (695 milhões de euros), em comparação com os 1.038 milhões de libras (1.193 milhões de euros) em período homólogo.

O lucro antes de impostos atingiu os 913 milhões de libras (1.049 milhões de euros) no primeiro trimestre, uma queda de 38% em relação ao período entre janeiro e março de 2019.

A receita total atingiu 6.283 milhões de libras (7.225 milhões de euros), um aumento de 20% em relação ao ano anterior, enquanto a receita operacional líquida foi de 4.168 milhões de libras (4.793 milhões de euros), uma queda de 13% relativamente ao primeiro trimestre de 2019.

A relação custo-benefício foi de 52% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com 62% em período homólogo, enquanto a taxa de depósito de empréstimos se fixou em 79% (82% no ano passado).

Em relação ao nível de solvência, o índice de capital CET1 foi de 13,1%, comparado a 13,8% no ano passado, e o Nível 1 foi de 16,6% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com 17,7 % do período homólogo.

O presidente executivo do Barclays, James Staley, disse que o banco está empenhado em apoiar os clientes e a economia do Reino Unido perante a atual crise de coronavírus.

“Numa situação como a pandemia de Covid-19, todos estão focados no que é realmente importante no momento. Para nós, isso significa gerir o banco com segurança e solidez, ajudando nossos clientes”, afirmou.

O responsável acrescentou que o impacto da crise da pandemia chegou ao fim de um bom trimestre para o banco e enfatizou que a força do Barclays reside na sua diversificação por negócios, geografia e moeda, o que lhe permite ser forte diante da desaceleração económica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro do Barclays caiu 42% no primeiro trimestre do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião