Lucros do Lloyds Banking Group caem 60% no 1.º trimestre devido à pandemia

  • Lusa
  • 30 Abril 2020

O banco liderado por Horta Osório viu os lucros do primeiro trimestre caírem 60% devido à atual pandemia, que representa um "desafio económico e social sem precedentes".

O Lloyds Banking Group anunciou esta quinta-feira lucros líquidos de 480 milhões de libras (552 milhões de euros) no primeiro trimestre, menos 60% que no mesmo período de 2019, devido à deterioração das condições económicas provocada pela pandemia.

Num comunicado enviado à London Stock Exchange, o banco sublinha que no primeiro trimestre do ano passado teve um lucro líquido de 1.200 milhões de libras (1.380 milhões de euros) e que, entre janeiro e março deste ano, o lucro antes de impostos (EBITDA) foi de 74 milhões de libras (85 milhões de euros), menos 95% do que no mesmo trimestre do ano anterior.

As receitas líquidas do banco baixaram 11% para 3.952 milhões de libras (4.544 milhões de euros). A relação custo-benefício foi de 49,7% no primeiro trimestre e a relação depósito-empréstimo foi de 103%.

Em relação ao nível de solvência, o índice CET1 ficou em 14,2% no primeiro trimestre, contra 13,9% no mesmo período do ano passado, enquanto os depósitos de clientes aumentaram 3%, para 428.000 milhões de libras (492.000 milhões de euros) e os empréstimos aumentaram 1%, para 443.000 milhões de libras (509.000 milhões de euros).

O CEO da entidade, António Horta Osório, sublinhou que a atual pandemia representa um “desafio económico e social sem precedentes”, com um “impacto significativo” na população e nas empresas no Reino Unido e no mundo. “As perspetivas económicas são claramente desafiantes, com um resultado de longo prazo que depende da gravidade e extensão da pandemia” e de medidas do Governo para “mitigar” o impacto da mesma.

Durante este período de “incerteza”, o Lloyds continuará a trabalhar “em estreita colaboração” com o Governo e os reguladores para garantir que o banco apoie os seus clientes no Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do Lloyds Banking Group caem 60% no 1.º trimestre devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião