Horta Osório e gestores do Lloyds abdicam dos bónus de 2020

  • ECO
  • 9 Abril 2020

A comissão executiva e diretores do Lloyds abdicaram do bónus de 2020 em solidariedade com trabalhadores e clientes. Banco britânico já deu mais de 400 mil moratórias no crédito.

A comissão executiva e o quadro de diretores do banco britânico Lloyds abdicaram dos bónus a que teriam direito em 2020, perante a incerteza e os desafios extremos colocados pela pandemia do Covid-19.

“Estamos a fazer tudo o que podemos fazer para apoiar os nossos clientes, colegas e comunidades. Compreendemos as dificuldades e desafios que estão a enfrentar nestes tempos sem precedentes, e estamos a trabalhar a um ritmo para dar o apoio de que precisam. À luz disto, é correto os diretores executivos e o comité executivo do grupo abdiquem de todos os bónus previstos para 2020“, declarou António Horta Osório, CEO do banco britânico, em comunicado.

Os responsáveis tomaram esta decisão em “solidariedade com as comunidades” e perante o “reconhecimento das prioridades dos stakeholders” nesta crise.

Desde o início da pandemia, o Lloyds já permitiu que mais de 300 mil clientes pudessem suspender temporariamente o pagamento das prestações mensais do crédito da casa, tendo já concedido 100 mil moratórias no crédito ao consumo.

Também já aprovou milhares de pedidos de moratórias de empresas, estando também no terreno para operacionalizar as linhas de crédito do governo.

“Os nossos colegas estão a trabalhar incansavelmente para ajudar os clientes nestes tempos difíceis”, diz o banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Horta Osório e gestores do Lloyds abdicam dos bónus de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião