Precários do Estado sentem-se prejudicados por atraso no programa de regularização

  • Lusa
  • 5 Maio 2020

A plataforma Precários do Estado considera que os processos são "muito simples" e que "os concursos podem e devem ser lançados e as candidaturas podem ser apresentadas por ‘e-mail".

A plataforma Precários do Estado disse esta terça-feira que o atraso na conclusão do programa de vinculação, devido à pandemia de covid-19, prejudica os trabalhadores que aguaram pela regularização da situação laboral, considerando não existir motivo para mais demora.

“A ministra da tutela disse hoje que o atraso não prejudica ninguém, mas, obviamente, que prejudica, pois as pessoas nesta situação estão sempre receosas em relação ao seu futuro e podem até perder os seus rendimentos”, disse à agência Lusa Daniel Carapau, da plataforma Precários do Estado.

O ativista deu como exemplo os trabalhadores das escolas, que contavam ser integrados em setembro e agora não sabem se isso vai acontecer.

“Além disso não percebemos o motivo para o atraso. São processos muito simples, os concursos podem e devem ser lançados e as candidaturas podem ser apresentadas por ‘e-mail’”, afirmou Daniel Carapau, acrescentando que não faz sentido mais demora quando os serviços públicos lutam com falta de pessoas, como é o caso da saúde.

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admitiu esta terça-feira no parlamento que a conclusão do programa de vinculação dos precários do Estado poderá “resvalar” para depois do primeiro semestre devido à pandemia da covid-19.

A governante assegurou aos deputados que ninguém será prejudicado pelo resvalar dos prazos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Precários do Estado sentem-se prejudicados por atraso no programa de regularização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião