Jerónimo Martins quer produzir 30% da energia que consome. Investe mais de um milhão em fotovoltaicos

Este projeto vai permitir uma redução de 530 toneladas de emissões de CO2 por ano e uma autonomia global de cerca de 30% da energia consumida nas instalações de Valongo.

O grupo Jerónimo Martins investiu 1,2 milhões de euros na instalação de um sistema solar fotovoltaico no centro de distribuição norte, localizado em Valongo. Este é o terceiro grande projeto de energia solar fotovoltaica do grupo em Portugal e vai permitir uma redução de 530 toneladas nas emissões de CO2 por ano.

Este projeto conta com cerca de cinco mil painéis solares fotovoltaicos instalados na cobertura do edifício e tem capacidade para produzir anualmente 2121,48 MWh de energia renovável, o equivalente ao consumo anual de 580 habitações. Este investimento vai permitir uma autonomia energética superior a 30% do consumo total deste centro de distribuição.

“Este investimento é mais um importante passo neste processo que, entre muitas outras medidas, inclui a decisão estratégica de contratar, desde 1 de julho de 2018, a eletricidade necessária para as operações das nossas insígnias em Portugal com origem em fontes renováveis. Através da contratação de certificados de origem Renewable Energy Certificate System (RECS), compensamos anualmente cerca de 200 mil toneladas de dióxido de carbono equivalente”, explica Fernando Frade, diretor corporativo de ambiente da Jerónimo Martins.

Para Duarte Caro de Sousa, diretor geral da ENGIE Hemera, empresa responsável pela instalação, operação e manutenção dos módulos de autoconsumo, “com este projeto o grupo Jerónimo Martins investe num dos recursos naturais mais importantes e com mais potencial no nosso país, a energia solar, com elevadas poupanças ambientais e na fatura da energia”.

Este projeto soma-se aos dois projetos-piloto que entraram em operação em 2018 no sul do país, com 3.876 painéis solares fotovoltaicos no centro de distribuição sul, em Algoz, e 1.600 na loja do Recheio de Tavira.

Até ao final do primeiro semestre de 2020, o grupo Jerónimo Martins conta iniciar a operação de mais quatro instalações solares fotovoltaicas para autoconsumo, no concelho de Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins quer produzir 30% da energia que consome. Investe mais de um milhão em fotovoltaicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião