CDS volta a propor descontar dívidas do Estado nos impostos a pagar

  • Lusa e ECO
  • 8 Maio 2020

O presidente do CDS-PP propôs a criação de um mecanismo que possibilitaria que as dívidas do Estado fossem descontadas em impostos a pagar pelas empresas e famílias.

O presidente do CDS-PP propôs que seja criado um mecanismo de acerto de contas entre o Estado e os contribuintes, possibilitando que os valores em dívida pelo Estado possam ser descontados em impostos a pagar pelas empresas e famílias. Uma ideia que, no que toca às empresas, já tinha sido apresentada pelos centristas em meados de 2019.

“O CDS propõe a criação de um mecanismo de acerto de contas, que permita a qualquer pessoa ou empresa a quem o Estado se atrasa a pagar, poder descontar o valor das faturas vencidas, para pagar os seus impostos e contribuições”, afirma Francisco Rodrigues dos Santos num vídeo divulgado esta sexta-feira.

Esta ferramenta não teria “custos para as pessoas e as empresas” e seria aplicável “nos casos em que as pessoas e as empresas são credoras do Estado e, ao mesmo tempo, devedoras de algum imposto, contribuição ou taxa”, e seria posta em prática através de “uma compensação de créditos”.

“Qualquer empresa ou pessoa a quem o Estado deve dinheiro deve poder descontar a fatura vencida e não paga, utilizando o dinheiro proveniente desse desconto para pagar os seus impostos (IVA, IRS, IRC, etc.)”, explica o partido, apontando que as “faturas vencidas e não pagas pelo Estado” seriam “convertidas em títulos de dívida, depois de devidamente certificadas pelo Ministério das Finanças”.

De acordo com a proposta dos democratas-cristãos, “esses títulos terão um prazo de validade pré definido, e só poderão ser utilizados para fazer face a pagamentos ao Estado, ocorrendo posteriormente um encontro de contas”.

Para o líder do CDS, “um Governo justo não pode ser um mau pagador e ao mesmo tempo um bom cobrador, sobretudo numa altura em que as famílias perderam rendimentos e as empresas enfrentam graves problemas de tesouraria”. “Como pode o Governo pedir dinheiro a tempo e horas a quem o Estado está a dever dinheiro há dias, meses ou anos? Se o Estado deve dinheiro essa dívida deve servir para pagar impostos e contribuições”, salienta Francisco Rodrigues dos Santos, defendendo que “o Governo deve ser um parceiro e não um obstáculo à recuperação económica dos contribuintes”.

Um Governo justo não pode ser um mau pagador e ao mesmo tempo um bom cobrador.

Francisco Rodrigues dos Santos

Presidente do CDS-PP

O CDS critica que quando o Estado é devedor paga “tarde, fora de prazo” ou fica “eternamente sem pagar”, mas ao invés, quando se tratam de impostos ou contribuições, “não perdoa um atraso e é implacável a executar os seus créditos”. “A situação é ainda mais bizarra quando se verifica a falta de tolerância do Estado às empresas ou pessoas a quem o Estado está a dever dinheiro – nem mesmo a essas perdoa um atraso”, critica o partido, falando num “desequilíbrio de forças inaceitável” e que “não é próprio de um Estado justo”.

Entre as propostas para “reanimar a economia”, e que serão apresentadas na Assembleia da República, o CDS refende que “as tabelas de retenção na fonte de IRS têm de ser ajustadas, fazendo coincidir o imposto devido a final com o pago antecipadamente”. “Aproximar o imposto retido do imposto devido aumenta o rendimento disponível, não diminui a receita fiscal e é de elementar justiça tributária”, consideram os centristas.

Neste pacote, o CDS insiste ainda na eliminação do Pagamento por Conta, Pagamento Especial por Conta e Pagamento Adicional por Conta de IRC e IRS durante este ano.

No debate quinzenal de quinta-feira, o primeiro-ministro apontou que “no final do mês de março, o total da dívida era de 433 milhões [de euros], menos 312 milhões do que em março do ano passado, e menos 180 milhões do que em fevereiro”, e frisou que “o Estado está a pagar, vai continuara a pagar e vai continuar o esforço para reduzir os prazos de pagamento”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS volta a propor descontar dívidas do Estado nos impostos a pagar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião