Centro já começou a limpar fundos comunitários parados. Candidaturas aprovadas recuam quase 2%

Com a pandemia de Covid-19, o Executivo decidiu suspender a "operação limpeza". Mas o Programa Operacional do Centro adiantou-se e no primeiro trimestre já anulou candidaturas. Dados refletem a opção.

O Centro 2020 é o programa operacional regional que menos fundos comunitários aprovou no primeiro trimestre do ano, face aos três meses anteriores. E em termos de candidaturas aprovadas há mesmo um retrocesso.

De acordo com boletim trimestral do Portugal 2020, nos primeiros três meses do ano, o Centro aprovou 7.269 candidaturas no primeiro trimestre de 2020, uma contração de 1,66% face às 7.392 aprovadas no trimestre anterior. Um valor que compara com o aumento de 2,77% nas candidaturas aprovadas pelo Norte 2020 (passou de 8.461 para 8.696) ou com o aumento de 4,42% nas candidaturas que receberam luz verde do Programa Operacional do Alentejo, que passaram assim de 3.635 para 3.796.

Incentivo aprovado

Valores em milhões de euros Fonte: Boletim trimestral do Portugal 2020

Candidaturas aprovadas

Fonte: Boletim trimestral do Portugal 2020

“Claramente tem a ver com o facto de termos iniciado mais cedo do que todos os outros Programas Operacionais a descativação de muitos projetos nos Sistemas de Incentivos às empresas que, estando aprovados, não tinham execução nem mesmo iniciado a sua concretização”, justifica fonte oficial do Centro 2020, quando questionada pelo ECO sobre a diferença de desempenho face aos restantes programas operacionais regionais.

Claramente tem a ver com o facto de termos iniciado mais cedo do que todos os outros Programas Operacionais a descativação de muitos projetos nos Sistemas de Incentivos às empresas que, estando aprovados, não tinham execução nem mesmo iniciado a sua concretização.

Fonte oficial do Centro 2020

O Executivo anunciou formalmente a Bolsa de Recuperação do Portugal 2020 em fevereiro com o objetivo de libertar cerca de 1,27 mil milhões de euros para que voltassem a ser usados. Os promotores com projetos com apoios comunitários parados, fosse de que área fosse, e independentemente da região, da natureza do promotor ou dos fundos envolvidos (Feder, Fundo Social Europeu ou Fundo de Coesão), iam começar a receber, a partir de março, alertas para justificar os atrasos. No entanto, devido à pandemia de Covid-19 o Governo suspendeu esta medida e sem data para retomar.

Esta foi apenas uma das iniciativas adotadas, no âmbito do Portugal 2020, para ajudar as empresas a superar os efeitos da pandemia, como o pagamento das despesas já efetuadas aos fornecedores e o diferimento automático dos reembolsos de incentivos por 12 meses que vai permitir manter junto das empresas, mas também dos municípios, uma verba de 776 milhões de euros.

Com a redução no número de candidaturas aprovadas o Centro 2020 está “a libertar verbas para apoiar novos projetos, nomeadamente para os avisos Covid-19 já abertos e que ainda vão abrir”, explicou ainda fonte oficial do programa.

“Na região Centro, a procura das empresas foi muito elevada, o que fez com que se esteja há muito tempo com aprovações para as empresas em overbooking e, por isso, esta descativação era necessária e urgente”, acrescentou ainda a mesma fonte. “Este processo repercute-se na redução do número de projetos aprovados bem como num crescimento reduzido do incentivo aprovado”.​

Na região Centro, a procura das empresas foi muito elevada, o que fez com que se esteja há muito tempo com aprovações para as empresas em overbooking e, por isso, esta descativação era necessária e urgente.

Fonte oficial do Centro 2020

O Boletim trimestral do Portugal 2020 revela que nos primeiros três meses de 2020, o Cento 2020 aprovou 1,65 mil milhões de euros em incentivos, um aumento de apenas 0,86% face aos três meses anteriores. Já o Norte 2020 — o programa operacional regional com o maior nível de incentivos aprovados (é também aquele que tem a maior dotação dado o Rendimento Nacional Bruto da região) — viu as aprovações subiram 3,8% para 2,62 mil milhões de euros. Já o Lisboa 2020 registou uma subida de 7,21%, a aceleração maior no trimestre para 722,8 milhões de euros.

No final do primeiro trimestre, o Portugal 2020 tinha uma taxa de execução de 47%, mais 2,4 pontos percentuais face a dezembro de 2019, o que significa que será necessário executar 53% dos 25,8 mil milhões de euros até 2023.

Até março foram aprovados apoios de 24 mil milhões de euros do atual quadro comunitário, que financiaram investimentos de 41,2 mil milhões de euros. A maior fatia dos fundos aprovados (37%) destina-se às empresas — domínio da competitividade e internacionalização — “sendo que os apoios às PME são mais significativos”, “com cerca de 20% do total dos fundos aprovados, seguido dos domínios do capital humano com 17% e do desenvolvimento rural com 16%, do total dos fundos aprovados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro já começou a limpar fundos comunitários parados. Candidaturas aprovadas recuam quase 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião