Número de casos de Covid-19 aumenta 0,66%. Já morreram 1.184 pessoas

O número de pessoas infetadas por Covid-19 em Portugal subiu para 28.319. Morreram nove pessoas da doença nas últimas 24 horas.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 187 novos casos de Covid-19, elevando para 28.319 o número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus no país. Trata-se de uma taxa de crescimento diária de 0,66%. Nas últimas 24 horas morreram nove pessoas com a doença, segundo a última atualização ao boletim das autoridades de saúde portuguesas.

Desde o início do surto em Portugal, a 2 de março, foram detetados 28.319 casos confirmados de Covid-19 no país. No que toca ao número de mortes, há registo de 1.184 óbitos, mais nove nas últimas 24 horas. “A taxa de letalidade global e de 4,2%. Já a taxa de letalidade acima dos 70 anos é de 15,4%”, adiantou António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, na conferência de imprensa desta quinta-feira.

Um total de 3.198 pessoas já recuperaram da doença, mais 16 pessoas desde a passada meia-noite, de acordo com a DGS. Há ainda 680 pessoas internadas (menos 12 pessoas do que no dia anterior), das quais 108 estão em unidades de cuidados intensivos (mais cinco). Em termos percentuais isto significa que a maioria dos pacientes estão a ser tratadas no domicílio (cerca de 82%). Já “a percentagem em internamento é de 2,4%, sendo que 0,4% estão em unidades de cuidados intensivos e 2% em enfermaria”, adiantou também o governante.

Boletim epidemiológico de 14 de maio

O Norte continua a ser a região mais afetada, com 16.166 casos confirmados e 674 óbitos registados, seguindo-se a região de Lisboa e Vale do Tejo, com 7.767 casos confirmados e 259 mortes. O vírus também tem destaque na região Centro, que regista 3.569 casos confirmados e 221 vítimas mortais (o mesmo valor que no balanço anterior).

Segundo a informação da DGS, 2.676 pessoas aguardam resultado laboratorial e 26.082 cidadãos estão sujeitos à vigilância das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com pessoas infetadas por Covid-19. Desde 1 de janeiro que já foram detetados 286.285 casos suspeitos e 255.290 casos acabaram por não se confirmar.

Passaram mais de 10 dias desde as medidas de confinamento e não se refletiu ainda ]nos números]. Tudo indica que, apesar de termos desconfinado e retomado a atividade, os portugueses mantêm as medidas de segurança.

Graça Freitas

Diretora-geral da saúde

Desconfinamento não se vê nos números

Ainda durante o briefing diário, o secretário de Estado da Saúde disse que, na terça-feira, chegaram a Portugal “4.8 milhões de máscaras cirúrgicas, 220 mil zaragatoas e 22 mil fatos de proteção“. O material já está no laboratório militar e “será distribuído consoante as necessidades”, garantiu.

Quanto à evolução da curva epidemiológica no país, a diretora-geral da Saúde disse que está a evoluir conforme o que era expectável, mas sublinha a importância de “continuar a fazer força sobre a mola”. “O vírus vai continuar a infetar-nos, portanto, temos de contrariar essa tendência”, alertou Graça Freitas.

Nesse sentido, a diretora-geral da saúde diz que a curva de Portugal “não é diferente da de outros países europeus”, mas que, apesar de terem sido levantadas as medidas desconfinamento no país, os números ainda não refletem isso. “Passaram mais de 10 dias desde as medidas de confinamento e não se refletiu ainda, não quer dizer que não venha a refletir-se. Tudo indica que, apesar de termos desconfinado e retomado a atividade, os portugueses mantêm as medidas de segurança”, assegurou.

Questionado sobre uma possível ajuda do Estado no acesso a máscaras para a população mais carenciada, nomeadamente através de preços mais reduzidos, o secretário de Estado da Saúde disse que “este Governo pondera sempre tudo aquilo que diz respeito às faixas mais vulneráveis da população”, acrescentando que a informação que tem chegado ao Executivo é que tem havido uma mobilização da sociedade civil em conjunto com as instituições e autarquias” e “que estas máscaras têm chegado a toda a população”.

(Notícia atualizada às 14h12 pela última vez)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de casos de Covid-19 aumenta 0,66%. Já morreram 1.184 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião