“Algumas centenas” de micro e pequenas empresas já pediram acesso ao Adaptar

Programa Adaptar, que contempla financiamento para os ajustamentos necessários às regras do desconfinamento, abriu esta sexta-feira candidaturas. Primeiro-ministro fez o primeiro balanço.

No primeiro dia de candidaturas ao Programa Adaptar já foram recebidas centenas de candidaturas, segundo o primeiro-ministro António Costa. Com um total de 100 milhões de euros, o programa financiado por fundos comunitários contempla apoios para que micro, pequenas e médias empresas se ajustem às regras do desconfinamento.

Já recebemos umas centenas de candidaturas neste primeiro dia“, anunciou o primeiro-ministro, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros, sobre o programa. Este é direcionado para a compra de equipamentos de proteção individual e higienização, bem como dispositivos de pagamento automático e, para as PME, ainda despesas com contabilistas certificados ou revisores oficiais de contas.

É particularmente importante para setores como o da restauração que estiveram fechados estes meses, não tiveram receitas e agora estão a ter encargos“, considera Costa. “Chamo a atenção que este programa paga despesas não só que se venham a realizar, mas também despesas que já se realizaram desde o dia em que entrou em vigor o estado de emergência, a 18 de março. Portanto quem pode candidatar-se com essas faturas pode ser apoiado até aos 5 mil euros”.

Para as microempresas o apoio é de 80% a fundo perdido para despesas entre os 500 e os 5.000 euros. Já para as PME o apoio a fundo perdido desce para 50% e o valor dos projetos sobe para valores entre 5.000 e 40.000 euros. A decisão sobre as candidaturas será tomada em dez dias úteis, no caso das microempresas, e de 20 dias úteis no caso das PME.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Algumas centenas” de micro e pequenas empresas já pediram acesso ao Adaptar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião