Fábrica PSA de Mangualde prevê laborar a 100% em 25 de maio

  • Lusa
  • 15 Maio 2020

A partir de segunda-feira, 18 de maio, a PSA de Mangualde dará início ao segundo turno de trabalho, e no dia 25 ao terceiro turno, ficando a fábrica da Peugeot, Citroën e Opel a 100%.

O Centro de Produção de Mangualde do Groupe PSA anunciou esta sexta-feira que a partir de segunda-feira dará início ao segundo turno de trabalho, e no dia 25 ao terceiro, ficando a fábrica da Peugeot, Citroën e Opel a 100%.

“Mantendo como prioridades proteger os seus colaboradores e preservar a sustentabilidade da empresa, o Centro de Produção de Mangualde do Groupe PSA já tem previsto o arranque da segunda e terceira fases do regresso à atividade industrial, criando as condições para o retomar da laboração a 100%”, adianta a empresa, em comunicado.

O documento esclarece que “o segundo turno de trabalho inicia-se na segunda-feira, dia 18 de maio, e, no dia 25, os Citroën Berlingo, Peugeot Partner e Opel Combo já serão produzidos pelos três turnos da fábrica”, uma decisão que “já foi comunicada à comissão de trabalhadores, aos colaboradores e aos fornecedores”. Após a suspensão da atividade, em 18 de março, por causa da pandemia, a fábrica tinha retomado com um turno, a 7 de maio, “retomando de forma gradual e segura a atividade” em Mangualde, onde foi implementado um “protocolo de medidas sanitárias reforçadas”.

“Depois de uma bem-sucedida primeira fase de laboração de mais de uma semana, e graças à implicação e ao envolvimento dos trabalhadores e dos seus representantes, o Centro de Produção do Groupe PSA está a escassos dias de um restabelecimento completo da sua atividade”, congratula-se a direção. O protocolo sanitário, “mais completo da história” da fábrica, contempla mais de 100 medidas de forma a “fornecer um elevado nível de proteção dos trabalhadores” e, desde o dia 07 de maio, já é possível assumir que “está agora plenamente testado em cenário de atividade normal”.

“A título de exemplo, o protocolo prevê o controlo de temperatura em complemento da automonitorização de sintomas, aprovisionamento de equipamentos de proteção individual (EPI) e ‘kits’ de proteção e higiene sanitária para colaboradores, motoristas e visitantes essenciais”, lê-se. Também contempla a “redefinição de fluxos de atividade e de circulação, marcações no solo para manutenção de distâncias de segurança, reforço dos perímetros de higiene, formação e conselhos essenciais de higiene e saúde e constituição de sala de isolamento”, acrescenta a empresa.

O Centro de Produção de Mangualde também conta agora com “patrulhas sanitárias de vigilância formadas pela hierarquia e elementos da comissão de trabalhadores que verificam no terreno, várias vezes em cada turno, a boa aplicação das normas e as melhorias potenciais do dispositivo”. “Tendo em conta o contexto comercial (desconfinamento, reabertura dos concessionários e situação comercial de cada modelo) e a normalização progressiva do fornecimento de componentes, a aplicação e o respeito do protocolo criaram as condições para retomar a atividade de forma gradual e segura, estando previsto no dia 25 de maio a laboração dos quase 1.000 colaboradores do Centro de Mangualde”, assume a direção.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fábrica PSA de Mangualde prevê laborar a 100% em 25 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião