Casos de Covid-19 sobem 0,96%. Já há mais de 30 mil infetados

As autoridades de saúde identificaram 288 novos casos de infeção pelo novo coronavírus no país, que contabiliza 30.200 casos. Morreram 12 pessoas devido ao Covid-19 no último dia.

O número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus continua a aumentar em Portugal, tendo-se registado 288 novos casos nas últimas 24 horas. É uma subida de 0,96% face ao dia anterior, com o total de pessoas infetadas a superar os 30 mil: 30.200. Morreram mais 12 pessoas devido ao Covid-19, elevando para 1.289 o número total de vítimas mortais, de acordo com o último balanço oficial da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Os dados revelados esta sexta-feira mostram ainda um grande crescimento do número de recuperações. Nas últimas 24 horas 1.289 pessoas foram dadas como recuperadas do Covid-19 em Portugal, um aumento de 17,6%, com o número total a ascender para 7.590.

António Sales, secretário de Estado da Saúde, adiantou durante a conferência de imprensa desta sexta-feira que a taxa de letalidade global é de 4,3%, sendo que na fasquia acima dos 70 anos de idade esta se encontra atualmente nos 16,3%.

Já os internamentos hospitalares mantiveram tendência de queda, sendo que 68,7% dos infetados se encontram a recuperar em casa, disse ainda António Sales. No que respeita aos internamentos, ocorreu uma redução de 32 nas últimas 24 horas, com o total a fixar-se atualmente nos 576. Desses, 84 estão internados em unidades de cuidados intensivos, menos oito do que ontem.

O Norte, que tem sido a região mais castigada desde o início da crise de saúde pública, contabiliza 16.596 casos confirmados e 725 mortes. Seguem-se a região de Lisboa e Vale do Tejo e a região Centro, com 9.106 e 3.664 casos de contágio, respetivamente, e 300 e 233 mortes.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a que neste momento onde se identificam o maior número de novos casos de contágio, sendo que Graça Freitas assume ser a situação que a DGS está “a acompanhar com mais cuidado”, mas com a diretora a destacar a influência dos casos identificados em fábricas da Azambuja e do Montijo.

Desde 1 de janeiro, as autoridades de saúde já registaram 306.171 casos suspeitos de Covid-19, sendo que 273.714 não se confirmaram. Um total de 2.257 pessoas aguardam resultados laboratoriais e 26.198 pessoas estão sob vigilância das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com pessoas infetadas.

Isenção das taxas pela ERS até final 2021

O secretário de Estado da Saúde deu ainda resposta à recente polémica gerada em torno da exigência às autarquias do pagamento de taxas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS) associadas à instalação de hospitais de campanhas e de estruturas relacionadas, como para a realização de testes ao Covid-19. O governante adiantou que este pagamento não será exigido até ao final de 2021, correspondendo assim às expectativas dos municípios.

“Esse esforço deve ser enaltecido e incentivado, e por isso o Governo decidiu através de uma portaria conjunta dos ministérios da Saúde e das Finanças, que estas estruturas de natureza extraordinária e temporariamente criadas para a prestação de cuidados de saúde no âmbito da resposta a Covid-19 ficam isentas do pagamento das taxas de registo previstas pelo sistema de registo de estabelecimentos regulados da entidade reguladora de saúde. Esta isenção vigora até ao final do ano de 2021“, disse António Sales.

Já no que se refere aos 500 ventiladores encomendados à China e que tardavam a chegar a território nacional, o governante adiantou que esta semana já chegaram 44 ventiladores provenientes daquele país. Desses, 20 correspondem a uma doação para o centro hospitalar do Algarve e os restantes correspondem a uma aquisição central, sendo que “chegarão em breve a diferentes unidades do serviço nacional de saúde”. “Durante as próximas semanas continuarão a chegar aviões com ventiladores essenciais para robustecer o nosso sistema nacional de saúde”, antecipou ainda António Sales, no seguimento do que já tinha dito a meio desta semana.

(Notícia atualizada às 14h25)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casos de Covid-19 sobem 0,96%. Já há mais de 30 mil infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião