Concursos de obras públicas aumentam 30% até abril, apesar da pandemia

  • Lusa
  • 22 Maio 2020

"Verifica-se que o mercado das obras públicas manteve uma trajetória de estabilidade, tanto ao nível das promoções de concursos, como da celebração de contratos", diz AICCOPN.

O mercado das obras públicas manteve-se estável em abril, apesar dos constrangimentos resultantes do estado de emergência, com os concursos lançados no primeiro quadrimestre a aumentarem 30% face a 2019, para 1,947 milhões de euros, informa a AICCOPN.

“Apesar dos constrangimentos resultantes do atual surto pandémico, verifica-se que o mercado das obras públicas manteve uma trajetória de estabilidade, tanto ao nível das promoções de concursos, como da celebração de contratos”, refere a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) em comunicado divulgado hoje.

Segundo a edição de maio do Barómetro das Obras Públicas da AICCOPN, o aumento de 30% do volume de concursos promovidos até abril reflete o facto de março ter sido “o mês com o montante de anúncios de lançamento de procedimentos mais elevado desde o início desta série, em 2010”, com o volume de concursos de obras públicas promovidos a atingir os 1.128 milhões de euros sobretudo devido ao lançamento de concursos de novas linhas de metro e ferrovias.

De acordo com a associação, só em março foram publicados “nove concursos de valor igual ou superior a 25 milhões de euros, os quais somam 872 milhões de euros, mais de três quartos do total”, relativos a projetos como as novas linhas de metro do Porto e de Lisboa e a modernização da Linha da Beira Alta, “alguns dos quais já haviam sido previamente objeto de concurso que, devido aos preços base demasiado baixos, tinham ficado desertos”.

No que se refere ao volume de contratos de empreitadas, no âmbito de concursos públicos, celebrados até ao final de abril e objeto de reporte no Portal Base, somou 512 milhões de euros até abril, recuando 8% face ao período homólogo de 2019.

Contudo, nota a AICCOPN, a variação homóloga temporalmente comparável (v.h.t.c.), ou seja, utilizando apenas a informação que é disponibilizada até ao dia 15 de cada mês seguinte à data de celebração dos contratos, apresenta uma variação positiva de 5%.

Já os contratos de empreitadas celebrados em resultado de ajustes diretos e consultas prévias totalizaram 112 milhões de euros, mais 11% em termos homólogos, valor a que corresponde uma v.h.t.c. positiva de 15%.

No seu conjunto, o montante total de empreitadas de obras públicas objeto de celebração de contrato e registado no Portal Base foi de 669 milhões de euros, menos 6% em termos homólogos, mas ao qual corresponde uma v.h.t.c. positiva de 5%.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou quase 330 mil mortos e infetou mais de cinco milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Portugal regista hoje 1.289 mortes relacionadas com o Covid-19, mais 12 do que na quinta-feira, e 30.200 infetados, mais 288, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concursos de obras públicas aumentam 30% até abril, apesar da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião