Um mês após ter baixado a perspetiva, Fitch não se pronuncia sobre Portugal

Depois de há um mês ter baixado a perspetiva do rating de Portugal, a FItch decidiu não se pronunciar na data que estava prevista no calendário.

A agência de notação financeira norte-americana decidiu não se pronunciar esta sexta-feira, data fixada para se pronunciar sobre o rating da República portuguesa. Na secção do seu site dedicada a Portugal está assinalado “no action” (“nenhuma ação”, em tradução livre) a 22 de maio.

Há um mês, a Fitch tinha baixado a perspetiva de “positiva” para “estável”, mantendo o rating em “BBB”. “A revisão do outlook reflete o impacto significativo do Covid-19 na economia portuguesa e na situação orçamental do país“, explicava a agência de notação financeira em comunicado.

“O choque deverá interromper a tendência de melhoria do crescimento económico, do rácio da dívida face ao PIB, mas também da resiliência do setor financeiro”, acrescentou nessa altura.

A previsão da Fitch é que a economia portuguesa vá sofrer uma queda de 3,9% em 2020, com uma quebra forte no segundo trimestre. A agência de rating admite uma contração mais expressiva do PIB caso haja uma segunda vaga de infeção que obrigue a mais medidas de confinamento.

A agência prevê ainda que o défice suba para os 4% do PIB em 2020 e que o rácio da dívida pública passe para dos 117,7% no final do ano passado para os 124,9% no final deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um mês após ter baixado a perspetiva, Fitch não se pronuncia sobre Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião