Número de infetados com coronavírus aumenta 0,9%. Recuperados são, afinal, 9.652

  • ECO
  • 23 Maio 2020

Há 30.471 casos de pessoas infetadas com coronavírus em Portugal, registando-se até ao momento 1.302 vítimas mortais. São 7.705 os casos de recuperação.

O número de pessoas infetadas com coronavírus aumentou 0,9% para um total de 30.471, revelam os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde que a doença apareceu no país, no início de março, já provocou 1.302 vítimas mortais, 13 das quais só nas últimas 24 horas. Até ao momento contam-se 7.705 pessoas recuperadas mas, segundo a ministra da Saúde, o número é bastante superior.

Do número total de infetados, a maioria está a fazer o tratamento em casa, sendo que apenas 550 estão internados, dos quais 80 nos cuidados intensivos. Há 2.308 pessoas a aguardar resultados laboratoriais e mais de 26 mil sob vigilância das autoridades de saúde.

Desde que apareceu em Portugal, no início de março, o coronavírus já provocou a morte de 1.302 pessoas, 13 das quais nas últimas 24 horas. Ainda assim, o número de casos recuperados tem vindo a aumentar e contam-se já 7.705 pessoas recuperadas da doença, revelam os dados da DGS.

O Norte continua a ser a região mais afetada por este vírus, com 16.664 casos de infeção e 732 mortes. Atrás aparece a região de Lisboa e Vale do Tejo (9.292 casos e 309 mortes), o Centro (3.676 casos e 230 mortes), o Algarve (361 casos e 15 mortes) e o Alentejo (253 casos e uma morte). Nas ilhas, os Açores registam 135 casos e 15 falecimentos, enquanto a Madeira tem 90 pessoas infetadas, sem nenhuma morte registada.

Numa análise por concelhos, Lisboa regista o maior número de casos (2.146), à frente de Vila Nova de Gaia (1.551), Porto (1.347), Matosinhos (1.264), Braga (1.206) e Gondomar (1.073).

“Relatório de amanha terá um total de 9.652 recuperados a mais”

De acordo com a ministra da Saúde, na conferência de imprensa diária, a taxa de letalidade está atualmente nos 4,3%, aumentando para os 6,4% no caso dos infetados acima dos 70 anos.

Marta Temido anunciou este sábado que, a partir de amanhã, haverá uma correção do número de recuperados. Isto porque, explicou, até agora o número de recuperados que tem sido divulgado baseia-se apenas na “notificação direta dos hospitais e autoridades de saúde”, não incluindo os dados da plataforma Trace Covid. Assim, os 7.705 casos recuperados estão bastante abaixo da realidade.

“Há 9.652 utentes que têm registo de ‘recuperado’ no Trace Covid e esses têm, pelo menos, um resultado negativo para o coronavírus”, disse a ministra. “O médico assistente passou a registar no Trace Covid o estado do doente como recuperado ou não. E isto faz com que exista à data um conjunto de doentes que tem registo de curado e que não estão traduzidos no nosso relatório“, continuou.

(Notícia atualizada às 14h13 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de infetados com coronavírus aumenta 0,9%. Recuperados são, afinal, 9.652

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião