Em Sintra vai nascer uma “mini-Califórnia”. Brasileiros investem dez milhões em 20 moradias

A promotora brasileira Real Estate Allocation vai investir dez milhões na construção do projeto "Reserva Real", com 20 moradias, numa pequena freguesia de Sintra.

Na pacata localidade de Nafarros, em Sintra, vai nascer uma “mini-Califórnia”. Inserido num pinhal, com vista para a serra, o futuro “Reserva Real” faz lembrar os trópicos: 20 moradias modernas, ruas particulares e palmeiras. As habitações deste projeto, que resulta de um investimento de dez milhões de euros da empresa brasileira Real Estate Allocation.

Localizado em pleno Parque Natural de Sintra-Cascais, o “Reserva Real” vai começar a ser construído no início de junho, depois de aqueles terrenos terem sido adquiridos pelos brasileiros da Real Estate Allocation a privados, como adiantou ao ECO Pedro Mateus, diretor de vendas da SilFiducia, empresa do Grupo SIL que está responsável pela comercialização.

O projeto é composto por 20 lotes para moradias, com áreas entre os 642 e os 1.550 metros quadrados. Contrariamente aos projetos comuns, os interessados em viver no “Reserva Real” podem comprar o lote com moradia incluída ou comprar apenas o lote e construir a moradia mais tarde. Esta última opção permite uma “construção personalizada”, anuncia-se.

Projeto Reserva Real, da Real Estate Allocation, em Nafarros, SintraReserva Real

Para quem preferir comprar o “pacote completo”, poderá optar por moradias T3 a T5, com áreas entre os 182 e os 354 metros quadrados, com dois pisos, piscina exterior e estacionamento. Ao ECO, Pedro Mateus explica que todo o “Reserva Real” deverá ficar concluído num prazo de quatro anos mas uma moradia deverá demorar cerca de dois anos a ser entregue ao novo dono. E das 20 moradias, quatro já estão reservadas, revelou.

Dependendo da opção escolhida, os preços são, claramente diferentes. Há lotes disponíveis desde 145.000 euros (666 metros quadrados) a 337.000 euros (1.550 metros quadrados). No caso de lotes com moradia incluída, os preços começam nos 567.000 euros (T4 com 183 metros quadrados) e vão até aos 1,09 milhões de euros (T5 com 235 metros quadrados). Para o diretor de vendas da SilFiducia, estes são “preços perfeitamente razoáveis”.

Pedro Mateus acredita que este projeto vai atrair pessoas que procuram um diferente estilo de vida. “Temos sentido um aumento da procura porque as pessoas estão a procurar um novo tipo de vida”, explica, referindo que “quem está à procura de casa deverá desistir de comprar um apartamento e irá procurar uma moradia”. E esta crise provocada pelo coronavírus, diz, vai dar ainda mais força a esta procura.

Quanto a esta procura, o responsável prevê que o projeto vai atrair tanto portugueses (primeira habitação), como estrangeiros. “Os estrangeiros vão continuar a investir em Portugal e até com mais força e empenho porque Portugal não foi assim muito atingido pelo coronavírus”, nota, referindo que, dentro da procura internacionais, o mercado asiático, francês e brasileiro deverá predominar.

O “Reserva Real” foi idealizado pelo arquiteto Fabiano Hayasaki, que já assinou projetos de nomes como Neymar Jr e Denilson. Em comunicado, o especialista nota que se inspirou no “lugar mágico que é Sintra e os seus palácios”. “Criei para este projeto um novo conceito de morar bem, com mais funcionalidade, muito mais design e ao mesmo tempo com simplicidade”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em Sintra vai nascer uma “mini-Califórnia”. Brasileiros investem dez milhões em 20 moradias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião