Bruxelas avalia novo processo contra Google e quer mais poderes contra tecnológicas

  • Lusa
  • 26 Maio 2020

A Comissão Europeia está a analisar possíveis abusos de posição dominante no mercado das pesquisas online por parte da Google, para determinar se avança com novo processo.

A Comissão Europeia está a analisar possíveis abusos de posição dominante no mercado das pesquisas online por parte da Google, para determinar se avança com novo processo contra a gigante norte-americana, e quer mais poderes para vigiar as tecnológicas.

“Infelizmente, as pessoas ainda estão muito preocupadas com o comportamento da Google no que toca […] aos motores de pesquisa” na internet e, por isso, “estamos a fazer algumas questões, mas ainda não abrimos nenhuma investigação porque estamos numa fase muito inicial”, afirma, em Bruxelas, a vice-presidente executiva da Comissão Europeia com a pasta da Concorrência, Margrethe Vestager, em entrevista à agência Lusa.

De acordo com a responsável, “as preocupações agora apresentadas são, de certa forma, similares, mas ao mesmo tempo diferentes do caso da Google Shopping [que motivou uma pesada multa há três anos], e relativas às pesquisas online em mercados locais”.

“São relativas aos fornecedores locais, que podem dar dicas para encontrar um restaurante, um médico, um dentista. Será que eles estão a ter uma oportunidade justa para concorrer no universo da Google?”, questiona Margrethe Vestager.

E é para encontrar respostas que a Comissão Europeia está a monitorizar a tecnológica, após ter recebido queixas de outros operadores de mercado.

Nos últimos anos, a tutela da Concorrência da Comissão Europeia, liderada por Margrethe Vestager, tem avançado com pesadas multas às gigantes tecnológicas norte-americanas, incluindo a Google, empresa que a ser alvo de um novo processo somará um total de quatro severas advertências de Bruxelas.

À Google foram já aplicadas três multas por práticas abusivas no mercado: em junho de 2017 (2,42 mil milhões de euros), em julho de 2018 (4,34 mil milhões de euros) e em março de 2019 (1,49 mil milhões de euros).

A multa aplicada em 2017 – e mencionada por Margrethe Vestager – foi referente ao abuso de posição dominante do serviço Google Shopping, com o executivo comunitário a considerar que a gigante tecnológica introduziu uma vantagem ilegal no seu serviço de comparação de preços.

Com grande parte das receitas da Google a serem baseadas nos anúncios, como os que são apresentados aos consumidores quando fazem uma pesquisa, a Comissão Europeia entendeu há três anos que a empresa estava a tentar fortalecer a sua posição dominante neste mercado, ao colocar sistematicamente em destaque os seus próprios serviços de comparação de preços, reduzindo a visibilidade das concorrentes nas suas páginas de resultados de pesquisa.

Além da Google, fazem parte do portefólio de Margrethe Vestager outras pesadas coimas, como a aplicada à Apple em agosto de 2016, num total de 13 mil milhões de euros por benefícios fiscais ilegais na Irlanda, ou a de 110 milhões de euros imposta ao Facebook em maio de 2017 por a empresa ter fornecido informação enganosa na compra da aplicação WhatsApp.

“A investigação do Facebook ainda está numa fase muito preliminar, mas recebemos uma série de queixas”, aponta a responsável na entrevista à Lusa, sem especificar.

Já em 2019, o executivo comunitário abriu uma investigação à gigante norte-americana de comércio eletrónico Amazon, para determinar se a companhia teve acesso a dados pessoais de vendedores independentes para deter informação privilegiada.

“Estamos muito mais avançados no caso da Amazon, […] mas não posso dizer quando haverá uma decisão”, indica a vice-presidente executiva da Comissão Europeia.

E é para lidar com estas tecnológicas que Margrethe Vestager defende mais poderes para a tutela concorrência europeia: “É sermos capazes de avançar com investigações sobre como o mercado está a funcionar e também impor compromissos aos participantes desse mercado para que haja espaço para a concorrência”.

Para isso, a responsável defende uma revisão da diretiva europeia sobre o comércio eletrónico de forma a “determinar quais são as responsabilidades gerais das plataformas”, a criação de legislação para as intermediárias de conteúdos na internet (gatekeepers) para “dizer o que podem e não podem fazer” e ainda um reforço das ferramentas de vigilância do mercado.

“De momento, temos investigações a decorrer relativamente à Amazon, Apple, Facebook e Google, mas o que aprendi nestes anos é que isso não chega, precisamos de ter instrumentos de regulação”, conclui Margrethe Vestager.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas avalia novo processo contra Google e quer mais poderes contra tecnológicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião