Suspensão do pagamento por conta pode libertar quase quatro mil milhões para as empresas

O Governo mostrou abertura para suspender o Pagamento por Conta. Se o fizer, poderá libertar quase 3,9 mil milhões de euros para as empresas, que de outro modo teriam de ser transferidos para o Fisco.

Se o Executivo de António Costa avançar mesmo com a suspensão do Pagamento por Conta, as empresas portuguesas deverão ficar com mais 3,9 mil milhões de euros em caixa, este ano, montante que, de outro modo, teria de ser transferido para a Autoridade Tributária (AT) à conta do imposto referido.

À saída da reunião de segunda-feira com o primeiro-ministro, o deputado ecologista José Luís Ferreira avançou que o Governo demonstrou abertura para suspender este ano o Pagamento por Conta do IRC, no âmbito do Orçamento suplementar. A medida ainda não está fechada, mas serviria para dar alguma liquidez às empresas, num momento em que a pandemia de coronavírus trouxe sérias dificuldades.

Em resposta ao surto de Covid-19, o Governo já tinha prorrogado o prazo da primeira prestação do Pagamento por Conta de 31 de julho para 31 de agosto, mas poderá agora suspender integralmente esta obrigação, o que aliviaria a tesouraria de muitas empresas.

De acordo com os dados disponíveis no Portal das Finanças, em 2018, por exemplo, as empresas entregaram à Autoridade Tributária quase 3,9 mil milhões de euros, no âmbito do Pagamento por Conta. Se a suspensão deste imposto se concretizar, esses 3,9 mil milhões de euros deverão ficar, este ano, no bolso das empresas.

De notar que o Pagamento por Conta é aplicado às empresas que tiveram lucros no ano anterior (no caso, em 2019) e que apuraram IRC, sendo devidas três prestações ao longo do ano corrente: em julho, em setembro e em dezembro.

Na prática, o Pagamento por Conta é um “adiantamento do IRC”, tal como a retenção na fonte avança o IRS. A diferença, salienta o fiscalista Manuel Faustino, é que os pagamentos por conta têm por base uma matéria coletável presumida, enquanto que a retenção na fonte incide sobre rendimentos efetivamente recebidos.

E é essa natureza do Pagamento por Conta que fará com que, caso o imposto não seja suspenso, a receita recolhida nesse âmbito seja “uma receita fantasma, uma não receita”, que a Autoridade Tributária terá de devolver, em grande parte, em 2021.

Uma vez que a base do cálculo do Pagamento por Conta é o IRC do ano anterior (neste caso, o apurado em 2019), no momento do acerto de contas (em maio de 2021), o Fisco teria de devolver montantes significativos, porque os resultados efetivamente registados pelas empresas em 2020 (ao qual se aplicará a taxa de IRC em 2021) deverão ser, por causa da crise pandémica, consideravelmente piores do que aqueles que verificaram em 2019.

Ou seja, sem suspensão, as empresas pagarão, em 2020, ao Fisco um imposto baseado na expectativa que os resultados de 2019 se repitam, o que não deverá ser verdade em muitos casos. Logo, o Pagamento por Conta exigido deverá estar desajustado em relação ao montante de IRC efetivamente devido.

Já no caso das empresas cuja atividade não tenha sido afetada pela pandemia, o não cumprimento do Pagamento por Conta poderia ser sinónimo de uma fatura mais pesada a pagar no IRC, em 2021, daí que Manuel Faustino defenda que deve caber às empresas escolher que caminho seguir, sem que se aplique qualquer coima. E se o Governo não suspender o Pagamento por Conta? “Seria quase um artifício de ir à carteira do vizinho com a intenção de depois devolver”, remata o mesmo fiscalista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Suspensão do pagamento por conta pode libertar quase quatro mil milhões para as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião