“Empresas pela Sustentabilidade”. Mais de 70 empresas assinam manifesto do BCSD Portugal

As empresas signatárias do manifesto do BCSD Portugal têm a ambição de contribuir para a construção de um modelo de desenvolvimento baseado em cinco princípios fundamentais.

As maiores empresas portuguesas não têm dúvidas que a a recuperação da economia tem mesmo de ser verde e por isso não hesitaram em comprometer-se na promoção de um modelo de desenvolvimento mais sustentável. Querem construir “um novo caminho, para um modelo de desenvolvimento mais justo e equilibrado”.

O manifesto promovido pelo BCSD Portugal — “Aproveitar a crise para lançar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável” — foi assinado por 64 empresas logo na primeira ronda, estando já a decorrer uma segunda ronda. Até ao momento contam-se já 73 signatárias. A estas deverão ainda juntar-se empresas membro da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), já que esta organização também assinou o manifesto, tendo o BCSD Portugal dado, às suas empresas membro, a oportunidade de também o assinarem.

As empresas signatárias declaram ter a ambição de contribuir para a construção de um modelo de desenvolvimento baseado em cinco princípios fundamentais: promoção do desenvolvimento sustentável e inclusivo, promoção do crescimento, busca da eficiência, reforço da resiliência e reforço da cidadania corporativa.

O desafio foi lançado pelo Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (BCSD) e dezenas de empresas, entre as quais mais de metade das empresas do PSI20, assinaram o manifesto “Aproveitar a crise para lançar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável”. Este documento parte da consciência das empresas portuguesas de que nos encontrarmos num ponto de viragem, em que “nunca, como agora, o nosso futuro dependeu tanto da nossa capacidade como sociedade de passar das palavras aos atos na transformação do nosso modelo de desenvolvimento”, refere o BCSD Portugal em comunicado.

“Porque as crises constituem oportunidades ímpares para repensarmos o nosso futuro, o BCSD Portugal e os seus associados acreditam que este é o momento para lançar novas bases para um crescimento mais inclusivo, sustentável e, de um modo geral, para construir um novo modelo de partilha de valor com a sociedade e as futuras gerações”, destaca João Wengorovius Meneses, secretário geral do BCSD Portugal.

As empresas signatárias do manifesto declaram assim ter a ambição de contribuir para a construção de um modelo de desenvolvimento baseado em cinco princípios fundamentais:

  1. Promoção do desenvolvimento sustentável e inclusivo,
  2. Promoção do crescimento;
  3. Busca da eficiência;
  4. Reforço da resiliência;
  5. Reforço da cidadania corporativa;

Conheça os signatários do manifesto “Aproveitar a crise para lançar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável”:

  • 3DWays, Francisco Moreira Tenente, Managing Partner
  • Accenture Consultores de Gestão, Pedro Galhardas, Vice-Presidente
  • Abreu Advogados, Duarte de Athayde, Managing Partner
  • A Planet, Joana Paredes Alves, Director of Global Business Development
  • Grupo Ageas Portugal, Steven Braekeveldt, CEO
  • ANA – Aeroportos de Portugal, Thierry Ligonnière, CEO
  • APCER, José Leitão, CEO
  • Ascendi, Luís Silva Santos, Presidente do Conselho de Administração
  • Altri, SGPS, S.A., Paulo Fernandes, Presidente Conselho Administração
  • Ambiosfera, Nuno Carvalho, Diretor Geral
  • Avenue, Aniceto Viegas, General Manager
  • BA Glass , Sandra Santos, CEO
  • Banco Carregosa, Francisco Oliveira Fernandes, Presidente da Comissão Executiva
  • Banco Santander Portugal, Pedro Castro e Almeida,C EO
  • Brisa, Vasco de Mello, Presidente do Conselho de Administração
  • BSD Consulting, Francisco Neves, Managing Director
  • Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, Licínio Pina, Presidente do Conselho de Administração Executivo
  • Carglass Portugal, Jorge Muñoz Cardoso, Director Geral
  • Cimpor, Luís Fernandes, CEO
  • Águas do Porto, Frederico Fernandes, Presidente do Conselho de Administração
  • Consulai, Pedro Santos, Director Geral
  • Corticeira Amorim, Cristina Amorim, CFO
  • CTT, João Bento, CEO
  • Deloitte Consultores, António Lagartixo, CEO
  • EDP, António Mexia, CEO
  • EDIA, José Pedro Salema, Presidente do Conselho de Administração
  • EY Portugal, João Alves, Presidente do Conselho de Administração
  • Efacec, Ângelo Ramalho, CEO
  • Euronext Lisbon, Isabel Ucha, CEO
  • Everis Portugal, António Brandão de Vasconcelos, Chairman
  • Finerg, Pedro Norton, CEO
  • Fujitsu Portugal, Carlos Barros, Diretor Geral
  • Galp, Carlos Gomes da Silva, CEO
  • Jerónimo Martins SGPS, S.A., Pedro Soares dos Santos, Presidente e Administrador-Delegado
  • José de Mello Saúde, Salvador de Mello, Presidente do Conselho de Administração
  • KPMG, Sikander Sattar, Presidente do Conselho de Administração
  • LIPOR, Aires Pereira, Presidente do Conselho de Administração Executivo
  • Mendes Gonçalves, Carlos Gonçalves, CEO
  • Metropolitando de Lisboa, E.P.E , Vitor Domingues dos Santos, Presidente do Concelho de Administração
  • Millennium bcp, Miguel Maya, CEO
  • NOS, Miguel Almeida, Presidente Executivo
  • PLMJ, Luís Pais Antunes, Managing Partner
  • PRIO, Emanuel Proença, Administrador
  • PwC, António Brochado Correia, Territory Senior Partner
  • PT Portugal, Luís Filipe Alveirinho, Chief Technology Officer
  • REN, Margarida Ferreirinha, Diretora para as áreas da Comunicação e Sustentabilidade
  • Repsol Portuguesa, Armando Augusto Oliveira, Administrador Delegado
  • Resíduos do Nordeste EIM S.A., Hernâni Dias, Presidente do Conselho de Administração
  • S317 Consulting, Filipe Vasconcelos, Managing Partner
  • Sair da Casca, Nathalie Ballan, Partner
  • Signium, Felipa Xara-Brasil, Administradora
  • Sogrape, Fernando da Cunha Guedes, Presidente do Conselho de Administração
  • Soja de Portugal, António Isidoro​, Presidente do Conselho de Administração
  • Solvay Portugal – Produtos Químicos, S.A., Jorge Oliveira, Presidente do Conselho de Administração
  • Sonae, Isabel Barros, Membro do Conselho de Administração
  • SUMOL+COMPAL, Júlio Gomes, Assessor da Administração
  • SustainAzores, Joana Borges Coutinho, CEO
  • Super Bock Group, Rui Lopes Ferreira, Presidente da Comissão Executiva
  • Tabaqueira, Miguel Matos, Diretor Geral
  • Tecnoplano, Bernardo Pinho, Presidente do Conselho de Administração
  • The Navigator Company, João Castello-Branco, Presidente do Conselho de Administração
  • Tintex Textiles, Mário Jorge Silva, CEO
  • Trivalor, Sofia Crisóstomo Silva, Presidente do Conselho Geral e de Supervisão
  • VdA, João Vieira de Almeida, Managing Partner

O BCSD Portugal é uma associação que congrega cerca de 100 empresas portuguesas, que no seu conjunto representam uma fatia importante do PIB nacional, sendo a sua missão apoiá-las na jornada para a sustentabilidade, através do desenvolvimento de soluções sustentáveis, capazes de responder aos desafios das suas cadeias de valor e, desse modo, contribuir para um modelo de desenvolvimento sustentável, em Portugal e no mundo.

Desenvolve a sua atividade nos domínios da neutralidade carbónica, da biodiversidade, da cadeia de valor, da economia circular, das finanças sustentáveis e das cidades sustentáveis. Integra a rede mundial do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a maior organização internacional empresarial a trabalhar a área do desenvolvimento sustentável, com mais de 200 empresas associadas em diferentes países e 68 organizações independentes nos cinco continentes, que em conjunto representam cerca de 10% do PIB mundial.

Leia aqui o manifesto

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Empresas pela Sustentabilidade”. Mais de 70 empresas assinam manifesto do BCSD Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião