Farfetch prepara robôs para simular experiência de loja no online

Novo projeto construído em parceria com a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Superior Técnico tem como objetivo desenvolver nova geração de agentes de conversação online.

Uma espécie de empregado de loja inteligente, mas em compras online. A Farfetch está a criar uma nova geração de agentes de conversação online, chatbots inteligentes que podem ajudar os clientes a acederem a informação de forma mais natural e ajudá-los, inclusivamente, a tomar decisões de compra. A novidade foi comunicada esta quinta-feira e é feita em parceria com a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Superior Técnico, anunciou a tecnológica em comunicado.

O projeto chama-se iFetch e enquadra-se no programa Carnegie Mellon University Portugal, estando avaliado em 2,3 milhões de euros. É ainda cofinanciado pelo Governo através do Portugal 2020. A ideia do unicórnio é revolucionar o e-commerce da indústria da moda de luxo através de uma conversação que tem como objetivo aproximar-se de uma experiência de loja física.

A área dos chatbots multimodais tem ainda muito por explorar e acredito que este é um projeto com um potencial enorme. O iFetch pode trazer inovações significativas para as compras online num futuro muito próximo, permitindo aos utilizadores ter acesso a informação de uma forma mais natural, e ajudando-os a tomar melhores decisões de compra”, explica Luís Carvalho, VP Architecture da Farfetch.

Usando tecnologia com inteligência artificial de conversação multimodal, a Farfetch conta com uma equipa multidisciplinar envolvida no projeto. O prazo de conclusão do iFetch tem previsão prevista de três anos.

“A Farfetch já mostrou noutros projetos que valoriza muito esta ligação à comunidade, e penso que volta a fazê-lo agora num projeto com potencial para revolucionar a experiência de compra online de milhões de consumidores”, acrescenta Luís Carvalho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch prepara robôs para simular experiência de loja no online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião