De dívida de 58 milhões, Orey prevê pagar 6,5 até 2032. Vê lucros ao fundo do túnel

Plano de recuperação da sociedade comercial foi divulgado esta sexta-feira. Após 12 anos a reembolsar parte das dívidas aos credores, empresa liderada por Duarte D'Orey já vê lucros ao fundo do túnel.

Em Processo Especial de Revitalização (PER), a Orey Antunes vai passar os próximos 12 anos a reembolsar os credores. De uma dívida que ascende a 58,2 milhões de euros, o plano é que sejam pagos apenas 6,5 milhões. O perdão da restante dívida (quase 90% do total) irá, segundo a empresa, permitir recuperar a solidez financeira e voltar aos lucros.

É convicção do Conselho de Administração da SCOA que, uma vez implementadas as medidas descritas neste Plano de Recuperação, tem condições para assegurar a viabilidade da sociedade e, bem assim, oferecer aos seus credores a solução que melhor tutela os seus interesses”, diz a Sociedade Comercial Orey Antunes no documento conhecido seis meses depois do pedido inicial junto do Tribunal Judicial de Comarca de Lisboa.

O plano de pagamentos faseados prevê que o Estado receba 2,21 milhões de euros até 2032. Sobre a banca, que reclamou 30% do total de 58,2 milhões, é apenas especificado que a Caixa Geral de Depósitos irá receber 467 mil euros (de um total de 4,7 milhões em dívida). Os credores privilegiados 63 mil euros e credores comuns outros 3,747 milhões. No total, o plano de reembolsos aos credores a 12 anos prevê o pagamento de 6,488 milhões de euros.

“A estratégia de viabilização da SCOA, ora delineada pelo seu Conselho de Administração e explanada neste Plano de Recuperação, assenta, essencialmente, por um lado, na otimização da estrutura de custos — tendo, para esse efeito, entre o mais, Duarte Maia de Albuquerque D’Orey, CEO da SCOA, abdicado da sua remuneração, enquanto administrador –, e por outro, na expectativa de distribuição de dividendos, nos próximos anos, pelas empresas operacionais do grupo”, explica a administração.

Além da suspensão do salário de Duarte D’Orey e da expectativa que as empresas detidas pela holding entreguem dividendos, a sociedade avisa os acionistas que não vai distribuir ela própria dividendos enquanto não estiverem cumpridos os pagamentos previstos no plano. “Espera-se que esta estratégia permita a libertação de meios suficientes para a SCOA liquidar os seus créditos nos termos da reestruturação”, refere.

Após ter dado início a um processo de reorganização do negócio, que inclui o desinvestimento no setor financeiro (ao qual a empresa atribuiu grande parte da culpa pela situação financeira), os principais ativos da sociedade são participações que detém (indiretamente, através de um fundo de investimento sediado no Luxemburgo) sobre as unidades operacionais do grupo.

Estas desenvolvem atividades de Transporte e Logística em Portugal, Espanha (através da Horizo View) e ainda em Angola e Moçambique (através da Lynx). No final do período do PER, a estimativa é que o grupo tenha lucros de 4,4 milhões de euros.

“A SCOA tem vindo, ao longo dos últimos três anos, a fazer um processo acelerado de desalavancagem e de aumento de rentabilidade, através de uma simplificação da gestão e redução de custos, procurando focar a sua atividade apenas no negócio operacional de transportes e logística. Neste âmbito, procedeu-se ao processo de venda de todos os ativos não operacionais, nomeadamente da área financeira, imóveis e investimentos no Brasil”, acrescenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De dívida de 58 milhões, Orey prevê pagar 6,5 até 2032. Vê lucros ao fundo do túnel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião