Hoteleiros propõem à Booking reagendamento ou ‘voucher’ para cancelamentos

  • Lusa
  • 29 Maio 2020

A AHP sublinhou a importância de ser assegurada a possibilidade de o cliente reagendar a sua estadia ou de ser emitido um ‘voucher’ pelo hotel.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) reuniu-se com representantes da booking.com para conhecer os procedimentos relativos a cancelamentos de reservas em hotéis por “força maior”, tendo sublinhado a importância do reagendamento ou da emissão de um ‘voucher’.

“A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal, maior e mais representativa associação da indústria hoteleira em Portugal, reuniu no dia 25 com representantes da booking.com em Portugal, tendo em vista conhecer as interpretações e procedimentos que a plataforma tem relativos aos casos de cancelamentos de reservas em hotéis por motivo de ‘força maior’”, indicou, em comunicado, a associação.

Conforme referiu a AHP, vários empresários têm apresentados queixas sobre os procedimentos da Booking relativos à devolução dos montantes das tarifas não reembolsáveis, “sem acautelar o ‘delay’ criado pela lei portuguesa e a emissão de ‘vouchers’, o que penaliza, e muito, os empresários da hotelaria”.

Para os casos em que não seja possível aplicar estas opções, a AHP propôs a criação de uma conta corrente com os hotéis e alojamentos parceiros relativa às devoluções efetuadas aos clientes, abatendo esse crédito aos alojamentos nas reservas futuras.

Porém, quando tal não seja possível, deverão ser alargados os prazos para debitar as devoluções aos hoteleiros de 60-90 dias para 150-180 dias. Os representantes da plataforma ficaram de apresentar as propostas à sede da empresa e de responder, no máximo, em duas semanas.

“Uma das maiores preocupações prende-se com a tesouraria, porque esta crise chegou na pior altura do ano. A grande maioria dos hoteleiros saía da época baixa com a sua tesouraria no limite do esforço, que a época alta viria aliviar, e por isso terá muita dificuldade em fazer face às devoluções exigidas”, considerou, citado no mesmo documento, o presidente da AHP, Raul Martins.

No entanto, este responsável ressalvou que os hoteleiros não querem abrir uma guerra jurídica com a Booking, sublinhando que o foco tem de estar na preservação da marca Portugal.

A AHP notou ainda que outras plataformas têm procedimentos semelhantes, “pelo que está a procurar acompanhar todas as situações”, tendo também previstas reuniões com as suas congéneres de Espanha e França.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoteleiros propõem à Booking reagendamento ou ‘voucher’ para cancelamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião