António Costa Silva: “A minha missão não é negociar com a oposição”

Em entrevista à RTP1, o gestor que o Governo escolheu para desenhar o Plano de Retoma da Economia diz que não será ele a negociar com os partidos da oposição.

António Costa Silva, presidente da petrolífera Partex, é o homem que o primeiro-ministro escolheu para desenhar o plano de retoma da economia portuguesa.

A notícia foi avançada este fim de semana pelo jornal Expresso, que colocava ainda em cima da mesa a possibilidade de o gestor poder vir mesmo a substituir Siza Vieira na pasta da economia.

Em declarações a ECO, Costa Silva confirmou o convite para gizar o plano de retoma, mas recusou a ideia da ida para o Governo: “O meu trabalho é de mero cidadão. É apenas uma tarefa cívica que estou a desempenhar pro bono. Continuo na minha empresa e o resto são especulações sem fundamento”.

Este domingo, em entrevista no Telejornal da RTP1, António Costa Silva foi confrontado com as críticas de alguns partidos da oposição que já disseram que não querem negociar o Plano de Recuperação com um “paraministro”, ou seja, não aceitam alguém que não faz parte do Governo como interlucotor.

Acho que os partidos têm razão, eu tenho um respeito imenso pelos partidos. A minha missão não é negociar, a minha missão é fazer o Plano. Quem vai negociar é o Governo, quem vai fazer as escolhas e estabelecer as prioridades é o Governo”, respondeu António Costa e Silva.

O Bloco de Esquerda afirmou este sábado que só negoceia com membros do Governo e rejeitou a existência de paraministros: “As pessoas que têm competência para tomar decisões em Portugal, que estão sujeitas não só a um regime de incompatibilidades e impedimentos estritos como de transparência sobre os seus rendimentos são membros do Governo: ministros e secretários de Estado” apontou Catarina Martins.

Da mesma forma, o CDS-PP informou que conta discutir o plano de recuperação económica do país com “Costa e Siza”, numa referência ao primeiro-ministro e ao ministro da Economia, “e não com Costa Silva”.

O gestor da Partex revelou que foi convidado para esta tarefa pelo primeiro-ministro no dia 24 de abril e que no dia 25 de abril ponderou e apresentou a António Costa um draft com o desenho do, nas palavras do próprio, “plano para o day after”.

Modernização das infraestruturas (por exemplo, com a construção de um hub portuário), aposta nas infraestruturas digitais (alargando o 5G a todo o território nacional) e fazer um “grande programa para as PME” são alguns dos eixos do programa de recuperação gizados pelo gestor.

António Costa Silva refere que é favorável aos mercados, mas defende “mais Estado na economia”, para proteger as empresas e o emprego.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa Silva: “A minha missão não é negociar com a oposição”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião