Confinamento aumenta poupança das famílias. Depósitos cresceram 2 mil milhões em abril

O montante depositado pelas famílias portuguesas na banca atingiu um novo recorde de mais de 158 mil milhões de euros, em abril. Em pleno confinamento, montante engordou mais de 2 mil milhões.

Confinados em casa devido à pandemia, muito mudou nos padrões de consumo e gastos dos portugueses, mas também das poupanças. Em abril, o montante aplicado em depósitos pelas famílias portuguesas disparou mais de 2 mil milhões de euros. Trata-se do valor mensal mais elevado em quase quatro anos, com o total dos depósitos a atingir um novo recorde acima de 158 mil milhões de euros.

De acordo com dados disponibilizados pelo Banco Central Europeu (BCE), em abril, o valor total depositado pelos particulares junto da banca ascendia a 158.004 milhões de euros. Trata-se do montante mais elevado do histórico da entidade liderada por Christine Lagarde que tem início há mais de 17 anos, concretamente, em janeiro de 2003.

O novo recorde dá seguimento ao rumo ascendente dos valores depositados, mas sobressai pelo forte crescimento das aplicações registado naquele mês. Num só mês, o dinheiro em contas à ordem e em depósitos a prazo disparou 2.067 milhões de euros. Trata-se da subida mensal mais elevado desde julho de 2016, mês em que os depósitos dos portugueses tinham engordado 2.101 milhões de euros.

Montante dos depósitos nos últimos 5 anos

Fonte: BCE

Se muitas famílias viram os seus rendimentos subitamente cortados devido às consequências económicas impostas pelo novo coronavírus, o aumento das poupanças dos portugueses depositadas junto da banca não podem ser dissociadas do mesmo efeito.

“A razão para esta subida estará provavelmente no facto de as famílias, em média, não terem gasto quer por opção, numa atitude defensiva precavendo-se num cenário de incerteza, quer por não ser mesmo possível gastar de acordo com o seu perfil de consumo com lojas e serviços fechados, viagens paralisadas e num período de Páscoa, automóveis nas garagens, etc…”, justifica Filipe Garcia, presidente da IMF.

O economista salienta, contudo, que “esta situação reflete um comportamento agregado e não generalizado“, lembrando precisamente que “muitas famílias não tiveram esta folga de liquidez por terem visto as suas fontes de rendimento reduzidas, em alguns casos a zero”.

"A razão para esta subida estará provavelmente no facto de as famílias, em média, não terem gasto quer por opção, numa atitude defensiva precavendo-se num cenário de incerteza, quer por não ser mesmo possível gastar de acordo com o seu perfil de consumo com lojas e serviços fechados, viagens paralisadas e num período de Páscoa, automóveis nas garagens, etc.”

Filipe Garcia

Presidente da IMF

A elevada quantia depositada em abril, dá seguimento a um aumento que já se tinha verificado em março, quando o confinamento dos portugueses se iniciou no seguimento da declaração de estado de emergência em Portugal no dia 18 daquele mês. Já em março, os depósitos das famílias tinham crescido em 1.613 milhões de euros.

Depósitos a prazo engordam até máximos de outubro

No que diz respeito ao caso específico do mês de abril, para além do maior acréscimo do valor global dos depósitos, é notório ainda que foi encaminhado mais dinheiro para depósitos a prazo, em contraciclo com a tendência decrescente que tem vindo a ser observada face à quebra das remunerações oferecidas.

Do total de 2.067 milhões de euros, 1.641 milhões engordaram as contas à ordem, mas os restantes 404 milhões de euros foram encaminhados para depósitos a prazo. Em termos mensais, não ocorria uma entrada de dinheiro tão elevada para os depósitos a prazo desde outubro de 2017.

Face ao acréscimo registado em abril, as aplicações em depósitos a prazo ascenderam a um total de 89.771 milhões de euros, um máximo de outubro do ano passado. Já no que respeita aos depósitos à ordem, aumentaram para 67.560 milhões de euros, um máximo do histórico do BCE.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confinamento aumenta poupança das famílias. Depósitos cresceram 2 mil milhões em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião