“Poder de fogo” europeu põe juros de Portugal a 10 anos abaixo de 0,5%

A yield exigida pelos investidores para comprarem dívida nacional tem vindo a recuar nos mercados internacionais, à semelhança do que se verifica na maioria dos países do euro.

Os juros da dívida dos países do euro continuam a deslizar, especialmente os dos soberanos da periferia da Europa. Portugal beneficia deste movimento, com a taxa a 10 anos a baixar da fasquia dos 0,5%. Está em mínimos pré-Covid-19, mantendo-se aquém dos juros de países como Espanha e Itália.

A taxa chegou aos 0,49% no arranque desta semana, atingindo um novo mínimo desde o início de março, quando foi confirmado o primeiro caso de Covid-19 em Portugal. Em Espanha, a yield a 10 anos está nos 0,55%, mantendo-se uma diferenciação positiva da dívida portuguesa face à espanhola, sendo ainda maior na comparação com a italiana. A taxa de Itália está nos 1,45%.

Juro das obrigações portuguesas a dez anos cai

Fonte: Reuters

A yield exigida pelos investidores para comprarem dívida nacional tem vindo a recuar nos mercados internacionais, à semelhança do que se verifica na maioria dos países do euro. É uma inversão face às últimas semanas, período em que aumentaram os receios quanto ao impacto da pandemia nas contas públicas dos vários Estados, explicada pela resposta europeia à crise.

Se durante o período de confinamento os juros da dívida se agravaram como os alertas das agências de rating, acabaram por iniciar uma correção a partir do momento em que o Banco Central Europeu (BCE) anunciou um bazuca de 750 mil milhões de euros.

Depois do BCE, foi a vez de a Comissão Europeia avançar com um programa de retoma avaliado também em 750 mil milhões de euros. Com o Fundo de Recuperação, Portugal deverá receber 26,3 mil milhões de euros, divididos entre 15,5 mil milhões de euros a fundo perdido e 10,8 mil milhões de euros de empréstimos.

Este “poder de fogo” europeu está a acalmar os mercados, permitindo que Portugal e outros países do euro emitam nova dívida para financiar os encargos decorrentes da pandemia com custos mais baixos, reduzindo os receios em torno da sustentabilidade das suas dívidas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Poder de fogo” europeu põe juros de Portugal a 10 anos abaixo de 0,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião