Recolher obrigatório em Washington ampliado após mais uma noite de protestos

  • Lusa
  • 1 Junho 2020

A medida de exceção começará às 19h00 locais, em vez das 23h00, e permanecerá em vigor durante dois dias, acrescentou.

O recolher obrigatório decretado em Washington após mais uma noite de protestos foi antecipado em quatro horas e vai vigorar por dois dias, anunciou a “mayor” da capital dos EUA, Muriel Bowser.

A medida de exceção começará às 19h00 locais, em vez das 23h00, e permanecerá em vigor durante dois dias, acrescentou.

Todos os norte-americanos devem estar revoltados com a morte de George Floyd. No entanto, as janelas partidas e as pilhagens estão a eclipsar o essencial das conversas”, sublinhou Bowser numa conferência de imprensa.

Tal como tem acontecido noutras cidades dos EUA, Washington foi domingo palco de novas manifestações para denunciar o racismo e a violência policial após a morte, há uma semana em Mineápolis, de George Floyd, um negro de 46 anos, que morreu sob custódia policial.

Autoridades nas ruas de Washington tentam dispersar os protestantes. EPA/SHAWN THEW EPA-EFE/SHAWN THEW 31 Maio 2020

Na noite de sábado para domingo, as manifestações em frente à Casa Branca degeneraram em violência, com viaturas a arder e vários estabelecimentos comerciais vandalizados.

Na sequência das manifestações e da violência, o Presidente dos EUA, Donald Trump, ridicularizou alguns governadores estaduais por serem “fracos” e exigiu-lhes que tomem medidas duras contra os manifestantes, após mais uma noite de violência em diversas cidades.

Donald Trump conversou com os governadores – numa videoconferência em que também estiveram presentes autoridades policiais e militares – dizendo-lhes que “precisam de ser muito mais duros” em relação às manifestações de protesto violentas.

Desde quarta-feira que milhares de pessoas têm saído às ruas de mais de 70 cidades nos EUA, para protestar contra a morte de George Floyd, provocando cenas de saque e violência que já levaram vários governos estaduais e pedir a intervenção da Guarda Nacional e mais de 40 cidades a decretar o recolher obrigatório.

“Muitos de vocês são fracos”, disse Trump aos governadores, aconselhando as autoridades a deterem mais pessoas.

O procurador-geral, William Barr, que também participou na videoconferência, disse aos governadores que devem perseguir os manifestantes que provocam distúrbios, sendo mais proativos no controlo da situação nas ruas das suas cidades.

O Presidente norte-americano não escondeu a sua preocupação com o alastrar das cenas de violência, que já duram há seis noites consecutivas e têm obrigado a fortes dispositivos policiais.

O próprio Donald Trump foi obrigado e proteger-se num bunker da Casa Branca, na noite de sexta-feira, escoltado por agentes dos serviços secretos que o procuraram colocar a salvo, quando os manifestantes começaram a atirar pedras contra a residência oficial do Presidente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recolher obrigatório em Washington ampliado após mais uma noite de protestos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião