Mercado aguarda cortes de produção. Petróleo acelera rumo aos 40 dólares

O "ouro negro" acelera nos dois lados do Atlântico, com o brent a aproximar-se dos 40 dólares. Subida acontece numa semana em que a OPEP+ poderá decidir estender os cortes de produção de petróleo.

O petróleo acelera nos dois lados do Atlântico, com o preço do barril de Brent a “namorar” os 40 dólares, valor que não é atingido desde o início de março. Subida das cotações acontece numa semana em que o mercado aguarda que a OPEP+ venha a acordar a extensão dos cortes de produção que permitam puxar pelo preço da matéria-prima.

O barril de Brent valoriza 2,32%, para 39,21 dólares, no mercado londrino. Chegou a negociar a 39,55 dólares, na fasquia mais elevada desde o dia 6 de março. Já o crude soma 2,14%, transacionando nos 36,20 dólares, máximo do mesmo dia.

O avanço das cotações dá seguimento ao rumo ascendente registado ao longo das últimas sessões, com os investidores de olhos na reunião entre os maiores produtores de petróleo — OPEP+ –que deverá decorrer esta semana e em que antecipam ocorra a extensão dos cortes de produção, equivalente a 9,7 milhões de barris por dia (bpd), cerca de 10% da oferta global, até julho ou agosto.

Brent aproxima-se perto dos 40 dólares

“Provavelmente, a OPEP + poderia estender os cortes atuais até 1 de setembro, com uma reunião marcada para antes para decidir os próximos passos”, disse Edward Morse, responsável pelo research de commodities do Citi, citado pela Reuters.

“Um acordo para estender permitiria ao grupo OPEP+ ‘comprar’ algum tempo para realmente cumprir totalmente o corte inicial de oferta de 9,7 milhões de bpd antes de diminuir o corte de produção para 7,7 milhões de bpd no saldo do ano”, afirmou o chefe global de Estratégia para o mercado de commodities do BNP Paribas, Harry Tchilinguirian, também citado pela Reuters.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercado aguarda cortes de produção. Petróleo acelera rumo aos 40 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião