Aicep angariou sete investimentos estrangeiros em plena pandemia

Em causa estão empresas do setor dos serviços: duas dos EUA e as outras da Alemanha, França e Suíça. São sobretudo empresas que vão estabelecer em Portugal centros de desenvolvimento.

Desde que a pandemia arrancou em Portugal, já fizemos sete angariações. Sete novos clientes que o país não tinha e que vieram para Portugal”, conta o presidente da Aicep, ilustrando assim as “boas notícias” na vertente do investimento.

“Não sentimos nenhum efeito negativo com a pandemia”, garante Luís Castro Henriques num encontro digital com jornalistas, para antecipar o lançamento do acelerador das exportações online. Em causa estão empresas do setor dos serviços: duas dos EUA e as outras do centro da Europa: Alemanha, França e Suíça. “São sobretudo empresas que vão estabelecer em Portugal centros de desenvolvimento de software e são empresas que trazem para o país centros de serviços”, especifica Luís Castro Henriques sem querer levantar mais a ponta do véu.

“Neste momento é dado que posso dar”, diz. “Quando as empresas quiserem anunciar, até para efeitos de recrutamento, então poderemos anunciar quem são especificamente”, diz o responsável.

São sobretudo empresas que vão estabelecer em Portugal centros de desenvolvimento de software e são empresas que trazem para o país centros de serviços.

Luís Castro Henriques

Presidente da Aicep

Na Aicep a pandemia não foi sinónimo de paragem. “Do ponto de vista de angariação, nunca parámos”, garante o presidente da agência responsável pela captação de investimento direto estrangeiro para Portugal, que atingiu um novo máximo em 2019. O stock do IDE registado no final do ano passado atingiu o recorde de 143,9 mil milhões de euros, segundo os dados do Banco de Portugal. Duas das angariações foram feitas exclusivamente “através de ferramentas digitais”. “As visitas todas feitas com reuniões digitais para poder interagir com os pares, tudo online. Foi um serviço que nunca parou, nem nunca teve qualquer solavanco, o que é muito interessante”, sublinha Castro Henriques.

“Para terminar as angariações industriais é preciso visitar os locais, ter aspetos específicos dos terrenos, etc, e isso ainda tem de esperar um bocadinho. Ainda não conseguimos fazer neste regime”, reconhece. “Mas continuamos a interagir com todos os clientes que estavam em pipeline“. O pipeline, ou seja as intenções de investimento, “não se reduziu e no caso dos serviços até aumentou”, acrescentou Castro Henrique, precisando que este continua na casa dos mil milhões de euros.

O ano passado, Portugal voltou a conseguir ultrapassar a meta de mil milhões de euros de investimento contratualizado. Em causa estavam 80 novos projetos, sendo que 75% era de origem estrangeira, mais exatamente de 15 nacionalidades diferentes. E estas angariações vão de vento em popa. “O que tinha sido angariado o ano passado, os projetos já estão em curso e no terreno e algumas dessas empresas, mesmo neste cenário atual, estão a manter os seus planos de recrutamento”, conta o presidente da Aicep.

Castro Henriques garante ainda que “os contratos que estavam a ser negociados se mantêm todos em negociação e, alguns deles, estão já a ser concluídos”. “Mais cedo ou mais tarde haveremos de ter as devidas assinaturas”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aicep angariou sete investimentos estrangeiros em plena pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião