Bruxelas prepara ampla revisão da regulamentação digital. Lança consulta pública

A Comissão Europeia está a promover uma consulta pública com vista a desencadear uma ampla revisão das leis que se aplicam ao conteúdo digital, algo que não acontece há décadas.

Vêm aí novidades ao nível da regulamentação digital na União Europeia. Arranca esta terça-feira uma consulta pública da Comissão Europeia com vista a levar a cabo uma ampla revisão das leis que se aplicam no mundo online há décadas, um processo que acontece pela primeira vez em 20 anos, noticia o Financial Times (acesso pago).

Adivinha-se um processo politicamente sensível e potencialmente fraturante. Até porque esta consulta pública surge num momento crítico para as grandes plataformas norte-americanas que também dominam o mundo digital europeu.

O Twitter começou na semana passada a avisar os utilizadores para informações falsas veiculadas por líderes políticos, entre os quais o presidente dos EUA, levando Donald Trump a assinar uma ordem executiva para responsabilizar as redes sociais pela gestão que fazem das publicações dos utilizadores. Já o Facebook decidiu não fazer nada em relação às mensagens de Trump, espoletando uma rara ação de protesto por parte de trabalhadores da própria empresa esta segunda-feira.

A intenção da Comissão Europeia é recolher opiniões de entidades e cidadãos para uma ampla revisão da regulamentação em vigor para o conteúdo digital, numa altura em Bruxelas está mais do que nunca focada na promoção do mercado único digital da UE. Esperam-se, assim, milhares de respostas à consulta pública por parte de empresas, governos e pelo público em geral.

A consulta está focada em três grandes pilares: quem é responsável pelo quê?; como é que as gigantes tecnológicas devem ser controladas?; como completar o mercado único? Assim, o objetivo passa também por modernizar a regulamentação e adaptá-la ao contexto atual. A participação pode ser feita nesta página, mediante autenticação.

“A consulta, aberta até 8 de setembro, abrange questões como a segurança em linha, a liberdade de expressão, a equidade e a igualdade de condições de concorrência na economia digital. A consulta contribuirá com informações para as propostas da Comissão relativas ao pacote legislativo sobre serviços digitais, que deverá ser adotado no final do ano”, aponta a Comissão Europeia num comunicado, já depois da publicação desta notícia.

(Noticia atualizada às 14h10 com informações oficiais)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas prepara ampla revisão da regulamentação digital. Lança consulta pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião