CTT disparam mais de 6%. Lisboa sobe 1% com Europa em máximos de março

As bolsas europeias estão novamente em alta e já tocam máximos do início de março, antes da implementação de restrições por causa do coronavírus. Lisboa também ganha quase 1%.

As bolsas europeias continuam a subir sem sinais de abrandamento, apesar da situação económica desfavorável causada pelo coronavírus. Os investidores continuam a comprar ações e a apostar expressivamente numa recuperação rápida da atividade económica, puxando os índices para níveis que não eram vistos há alguns meses.

Depois de um arranque de semana positivo, as bolsas europeias seguem o caminho já trilhado pelos mercados asiáticos, registando ganhos significativos. O Stoxx 600 avança 0,8% e toca máximos de 9 de março. Também o francês CAC-40 sobe 0,8%, enquanto o espanhol IBEX sobe 0,6%. O alemão DAX dispara 2,5% e está em máximos de 5 de março.

O português PSI-20 também continua a subir, depois dos ganhos de 2,20% na segunda-feira. O índice nacional avança 0,94%, para 4.467,61 pontos, impulsionado pelos setores da banca, energia e postal. Mas este último ganha destaque com a subida de 6,61% registada pelas ações dos CTT, que valem agora 2,34 euros.

Porém, é o BCP que mais contribui para a subida da bolsa de Lisboa. O banco liderado por Miguel Maya está a recuperar dos mínimos alcançados nas semanas anteriores e avança 1,4%, para 10,16 cêntimos, estendendo os ganhos da sessão anterior.

Evolução da cotação do PSI-20

Do mesmo modo, também há brilho no setor energético. A família EDP puxa o lustro a Lisboa com uma subida de 1% da elétrica liderada por António Mexia, cujos títulos estão a ser negociados a 4,242 euros cada. A EDP Renováveis soma 0,99%, para 12,26 euros.

Em Lisboa apenas três cotadas negoceiam no vermelho. É o caso da Nos, que perde 0,415, para 3,886 euros; da Ibersol, que cede 1,31%, para 6,03 euros; e da Corticeira Amorim, que recua 0,11%, para 9,21 euros. Já os títulos da Novabase permanecem inalterados face à cotação da última sessão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT disparam mais de 6%. Lisboa sobe 1% com Europa em máximos de março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião