Santa Casa investe 50 mil euros nos projetos Ally Smart Check-ins e SmartAL

  • ECO
  • 2 Junho 2020

Santa Casa investiu 50 mil euros em dois projetos de resposta à crise motivada pelo coronavírus. Ally Smart Check-ins e SmartAL saíram vencedores do Santa Casa Challenge Extra Covid-19.

A Santa Casa investiu 50 mil euros nos projetos Ally Smart Check-ins e SmartAL, que saíram vencedores do Santa Casa Challenge Extra Covid-19, edição especial do concurso de inovação digital da Casa do Impacto da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A Ally Smart Check-ins criou uma solução de apoio à monitorização de idosos que usa inteligência artificial, som e movimento para alertar os cuidadores quando precisam de apoio através de uma app. Já a SmartAL ajuda a suportar serviços de Ambient Assisted Living e permite acompanhar, em tempo real, seniores e doentes crónicos, situações de convalescença ou apoio pós-hospitalar, explica a instituição em comunicado.

“Nesta edição procuramos novas formas de responder a problemas sociais que a pandemia nos trouxe, através de novas abordagens. Neste tempo de incertezas, a inovação não chega para o dia de amanhã, é necessária para responder aos problemas de hoje”, refere Sérgio Cintra, administrador executivo da Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, citado em comunicado.

“Foi extraordinário ver uma resposta tão rápida e avançada da Santa Casa à crise do Covid-19. O compromisso da organização de usar soluções inovadoras para ajudar a cuidar de adultos vulneráveis ​​em tempos tão difíceis é realmente inspirador”, assinala Thomas Tredinnick, CEO e cofundador da Ally Smart Check Ins.

Também para a Altice Portugal que, através do Altice Labs, serve de cada à SmartAL, o reconhecimento da instituição “simboliza o nosso investimento em soluções tecnológicas cada vez mais inclusivas e que dão resposta às necessidades efetivas dos cidadãos, na área da saúde e do apoio social”, refere Nuno Nunes, Chief Sales Officer do segmento empresarial da Altice Portugal.

O concurso especial recebeu mais de sete dezenas de candidaturas vindas de todo o território nacional mas também de países como o Brasil, Itália, Reino Unido, Bélgica e Alemanha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santa Casa investe 50 mil euros nos projetos Ally Smart Check-ins e SmartAL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião