Covid-19 já fez mais de 380 mil mortos em todo o mundo

  • Lusa
  • 3 Junho 2020

Nas últimas 24 horas, 4.753 novas mortes e 120.242 novos casos de ocorreram em todo o mundo devido à pandemia do novo coronavírus.

A pandemia do novo coronavírus já matou 382.016 pessoas e infetou mais de 6,4 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 19h00 GMT desta quarta-feira, baseado em dados oficiais dos países.

De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, às 19h00 GMT (20h00 de Lisboa) 6.440.940 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro passado na província chinesa de Wuhan, dos quais pelo menos 2.768.700 são agora considerados curados.

Porém, a AFP avisa que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que alguns países estão a testar apenas casos graves que levam a internamento hospitalar, outros usam o teste como uma prioridade para o rastreamento e muitos estados pobres têm capacidade limitada de rastreamento.

Desde a contagem realizada às 19h00 GMT de terça-feira, 4.753 novas mortes e 120.242 novos casos ocorreram em todo o mundo.

Os países com mais mortes nas últimas 24 horas são o Brasil, com 1.262 novas mortes, os EUA (1.052) e o México (470).

Os EUA, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de óbitos e de casos, com 106.696 mortes para 1.841.471 casos. Pelo menos 463.868 pessoas foram declaradas curadas até hoje pelas autoridades norte-americanas.

Depois dos EUA, os países mais afetados são o Reino Unido, com 39.728 óbitos e 279.856 casos, a Itália, com 33.601 mortes (233.836 casos), o Brasil, com 31.199 mortes (555.383 casos) e a França, com 29.021 mortes. (188.674 casos).

Coronavírus Dados Informativos

Última atualização: 2020-07-09 07:16:01

Fonte: DGS

  • Confirmados

    44.859

    +443

  • Suspeitos

    396.521

    +2387

  • Recuperados

    29.714

    +269

  • Óbitos

    1.631

    +2

Entre os países mais atingidos, a Bélgica continua a ser o que apresenta maior número de mortos face à sua população, com 82 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido pelo Reino Unido (59), Espanha (58), Itália (56) e Suécia (45).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizava hoje oficialmente um total de 83.021 casos (1 novo entre terça-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes (0 novas) e 78.314 curas.

A Europa totalizava às 19h00 GMT de hoje 180.875 mortes e 2.201.170 casos, os Estados Unidos e o Canadá 114.154 mortes (1.933.881 casos), a América Latina e Caraíbas 55.510 mortes (1.104.571 casos), a Ásia 17.391 óbitos (598.331 casos), o Médio Oriente 9.900 mortes (434.110 casos), África 4.555 mortes (160.282 casos) e a Oceânia 131 mortes (8.599 casos).

Esta avaliação foi realizada usando dados coletados pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A AFP alerta que devido a correções pelas autoridades ou a publicação tardia dos dados, os números de aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Portugal, com 1.447 mortes registadas e 33.261 casos confirmados, é o 24.º país do mundo com mais óbitos e o 29.º em número de infeções.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 já fez mais de 380 mil mortos em todo o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião